Polícia Civil do Rio fará concurso público para mais de 800 vagas

0
62

Certame será para preencher 864 cargos vagos em diversas áreas, de níveis Médio e Superior

O governador em exercício do Rio, Cláudio Castro, e o secretário de Polícia Civil, Alan Turnowski, anunciaram nesta quarta-feira a realização de concurso público para preenchimento de mais de 800 vagas na PCERJ. Serão, ao todo, 864 oportunidades para diversos cargos vagos de níveis fundamental, Médio e Superior. O edital será publicado no Diário Oficial desta quinta-feira, 5 de novembro.

“Serão 864 vagas para reforçar o quadro da Polícia Civil, deixando claro que é para reposição de vacâncias, o que não desrespeita o Regime de Recuperação Fiscal (RRF)”, disse Castro, lembrando que o governo do Rio vem articulando a aprovação do PLP 101/2020, que prevê um novo regime, com duração de 10 anos.

 
“A abertura desse concurso é possível devido ao nosso controle de gastos. Estamos investindo o dinheiro da população naquilo que é importante. Vamos reforçar o quadro da Polícia Civil e reduzir o déficit de quatro mil agentes. Atualmente, a instituição conta com 8.300 homens e mulheres, que realizam o trabalho com afinco. Desde o ano passado, quando criamos a Secretaria de Polícia Civil e a Secretaria de Polícia Militar, os índices de criminalidade vem reduzindo”, declarou o governador interino.
 
As 864 vagas são para perito legista (54 vagas), inspetor de polícia (597), técnico policial de necropsia (16), auxiliar policial de necropsia (12), delegado (47), perito criminal (20) e investigador policial (118).
 
Autorização do conselho do RRF
 
Na primeira etapa, serão convocados 73 aprovados, provavelmente até o fim de 2021, e de acordo com as autorizações do Conselho de Supervisão da recuperação fiscal do Rio. Segundo o que anunciaram Castro e Turnowski, até 2022, serão convocados os outros selecionados, conforme disponibilidade de vagas.
 
Reforço na Segurança
 
O secretário de Polícia Civil defendeu o concurso como mais uma medida de reforço da Segurança Pública. “Para os agentes que estão na linha de frente, saber que vai chegar esse reforço é muito importante para que eles mantenham o ritmo de trabalho. Precisamos de pessoas vocacionadas na corporação. Trabalhar na Polícia Civil engloba muitas coisas, e a investigação é a nossa essência. A estrutura que o governo do estado vem criando para as polícias trabalharem gera tranquilidade à população”, afirmou Turnowski.
 
 
O Dia