Com a intenção de melhorar as condições de alimentação dos trabalhadores, o Governo Vargas criou, em 5 de agosto de 1940, o SAPS. Trata-se de restaurantes populares que ofereciam refeições aos trabalhadores por um preço bem modesto. Diretamente subordinado ao Ministério do Trabalho, Indústria e Comércio, o SAPS fazia parte de um programa estatal de melhoria da situação de vida dos trabalhadores.

O Serviço de Alimentação e Previdência Social (SAPS) funcionava no II Distrito de Itaguaí hoje Seropédica. O SAPS alimentava o Rio de Janeiro com atividades agrícolas, onde produzia abacaxi, abóbora, abobrinha, arroz, aipim, batata doce, berinjela, banana, café, cebola, cenoura, feijão, feijão de corda, maracujá, maxixe, pepino, pimentão, quiabo, tomate, e tomate cereja. A produção animal se baseia na criação de suínos, galinhas (postura), gado (corte e leite).

As plantações e criação de animais para abate do SAPS ocupava uma grande área de produção, pegando os bairros do INCRA, Coletivo, Santa Alice e Carretão, onde o material produzido era enviado para Central de Abastecimento, atualmente CEASA e depois distribuído aos restaurantes do SAPS.

Um dos restaurantes do SAPS mais famosos ficava no Bairro Praça da Bandeira, onde era usado por trabalhadores, moradores de rua e estudantes. Nota do editor Calderini. (Já almocei neste restaurante dezenas de vezes quando estudava no SENAI).

O SAPS funcionou por ininterruptos 27 anos, até que em 28 de fevereiro de
1967, através do decreto-lei 224, o governo Castello Branco extinguiu o órgão. Sob o
argumento de que abrigava reuniões de sindicalistas de esquerda, além de denúncias de
corrupção administrativa, o regime militar encerrou as atividades do SAPS liquidando-o
logo em seguida, no governo Costa e Silva.

Sua História de localização pelo INCRA

O Assentamento do INCRA está localizado no que era antigamente uma Granja do
Serviço de Alimentação e Previdência Social do Ministério do Trabalho e Comércio (SAPS), que servia à cidade e o estado, se estendendo por cerca de um quilômetro ao longo da Estrada Rio-São Paulo.

A criação dos Restaurantes SAPS

O Restaurante foi inicialmente criado como uma forma de complementar o
salário mínimo, uma vez que este mostrava-se muito defasado. Oferecendo refeições
aos frequentadores, o SAPS supriria suas carências nutricionais através dos alimentos
oferecidos. Desta forma, a primeira atribuição do órgão era fornecer refeições a preço
módico de maneira que grande parcela dos trabalhadores tivesse uma alimentação rica
em nutrientes.

A Política da Alimentação era Vargas

No último ano de governo de Vargas, em 1945, empresas foram autorizadas a montar postos de abastecimento de alimentos para seus trabalhadores. Esses postos somente poderiam vender os seguintes produtos: arroz, açúcar, azeite, banha, batata, café,
carne seca, cebola, farinha, feijão, macarrão, manteiga, sabão e sal.

As empresas deveriam ter no mínimo 300 trabalhadores. Empresas menores poderiam atuar de forma colaborativa, desde que juntas cumprissem essa cota mínima de trabalhadores. Essa iniciativa complementar aos refeitórios possibilitava que, além das
refeições servidas na fábrica, o trabalhador comprasse alimentos para consumo em casa. Esse mecanismo também era uma forma de permitir a antecipação salarial, uma vez que o valor das compras dos alimentos poderia ser descontado em folha de pagamento, ao
final do mês ou quinzena, desde que limitado a 50% do salário.

Vargas criou o Conselho de Comércio Exterior e a Comissão de Alimentação. A comissão estava subordinada ao conselho e seria formada por técnicos dos Ministérios da Educação e Saúde, do Trabalho, Indústria e Comércio, e da Agricultura, dos serviços militares de Intendência, um representante da indústria de alimentos e mais três, de livre escolha, que fossem conhecedores da tecnologia alimentar.

Pelo fato de esta Comissão estar vinculada ao Conselho de Comércio Exterior e ter representantes da indústria, em princípio seu trabalho poderia estar voltado para atender as demandas da indústria, visando o mercado externo. O que chama a atenção é
que quem assumiu a coordenação dessa Comissão foi o médico, professor, sanitarista e nutrólogo Josué de Castro, uma das maiores referências mundiais sobre a fome.

O Seropédica Online vem contando a história de nosso município gradativamente, com isso ajudaremos a manter a História Viva e criarmos orgulho de vivermos nesta cidade. Precisamos de pessoas que poderiam ajudar nisso, por isso solicitamos que envie pelo WhatsApp (21) 984203660 ou pelo e-mail [email protected] 

Estamos procurando pessoas que conheçam a história da Antiga Radiobras que ficava no Prédio que ainda existe localizado ao lado da Apreensão de veículos no km 42. A transmissão de Rádio era enviada para Europa e EUA por enormes transmissores e antenas. Nesta época o Estado do Rio de Janeiro era capital do Brasil. 

Com a definitiva mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara. O restante do estado seguiu como estado do Rio de Janeiro.

Luiz Calderini nasceu no SAPS em Seropédica. Seu pai Iony Calderini depois que veio da II Guerra Mundial foi trabalhar na Oficina do SAPS no INCRA.

Getúlio Vargas almoçando no SAPS

Pin em Getúlio Vargas

Memorial da Democracia - Vargas cria serviço de alimentação

Foto da Prefeitura de Itaguaí quando Seropédica era II Distrito

Enterros anos 60

Mapa da Emancipação de Seropédica segundo Prefeitura de Itaguaí, atualmente em 2020 corrigido

Fazenda Seropédica Bananal de Itaguaí, propriedade de Luiz Rezende, em 1865, onde produzia 50 mil casulos Bicho da Seda. Após 1880 houve fortes atividade rurais e comerciais, exportando cerais, café, açúcar, farinha e aguardente.  Atualmente conhecida com Fazenda do Marum (in memorian)

PressReader - O Dia: 2013-11-03 - O SERICEO DE SEROPÉDICA

Flona Mario Xavier