Desde que o DNIT realizou obras de recuperação da Antiga Rio São Paulo BR 465 em 2017, vários acidentes aconteceram nesta área. 

É incrível a Engenharia do DNIT, parece mais uma armadilha para os visitantes que passam pela BR 465 em direção ao Rio de Janeiro. No início colocaram um divisor de pista (guard rail) no meio da Ponte sobre a Linha Férrea, e todo os dias tinha graves acidentes. Sem pensar numa maneira melhor para resolver a situação, puseram na saída do viaduto um guard rail, onde sempre tinha uma carreta ou outro veículo agarrado nas ferragens. Atualmente colocaram Gelo Baiano onde continua a mesma situação, acidentes, acidentes, acidentes.

Cada dia inventam uma nova história. Porque não acabam de finalizar a obra e colocam a segunda parte do viaduto? Uma empresa fez a fundação, depois veio uma segunda empresa e colocaram a base de concreto, depois parou por aí. Será que a população não precisa de explicações? O dinheiro para fazer isso vem dos cofres públicos, que nós pagamos todos os dias em impostos. 

Poderiam desde o início do primeiro acidente construir redutores de velocidade, com sinalização, e com iluminação a noite.

Atualmente o Dito Asfalto já está cheio de buracos em vários pontos desta rodovia, as obras não terminaram até hoje, será que não tem garantia de serviço? Em outros países obras como esta, duram em média 20 anos ou mais. Em vários locais da rodovia os buracos na pista se tornam uma armadilha para os motoristas.

Não existe manutenção na pista, o mato toma conta das placas de sinalização, deixando os motoristas confusos. Para terem uma ideia da situação, o semáforo de limite de velocidade em frente a UPA, do lado direito indica velocidade máxima 50 km e no lado esquerdo 60 km, e como fica as multas?

A poucos dias informamos a situação dos buracos na pista da Ponte sobre o Rio Guandu, o risco ali é alto, os motoristas desavisados podem bater no buraco e atingir o carro que vem na mão ao contrário ou então bater na mureta e cair no Rio Guandu. 

E lembrando a responsabilidade da manutenção na Rodovia é do Governo Federal, precisamente do DNIT. Não podendo o município arcar com as despesas.

OLHEM ESTA FOTOGRAFIA, ANTES A PISTA ERA RETA, NÃO EXISTIA ACIDENTES, MAS A ENGENHARIA DO DNIT EM VEZ DE FAZER LOGO AS OBRAS DO VIADUTO QUISERAM INVENTAR. (As duas Fotos são do inicio da obra)

AQUI ERA PARA TER UM SEGUNDO VIADUTO

A atual BR 465 é uma das partes daquela que foi a principal rodovia que ligava as cidades do Rio de Janeiro e São Paulo até a década de 1950. Com a implementação da (atual Rodovia Presidente Dutra), então optou-se por um novo traçado para o trecho próximo à cidade do Rio de Janeiro, passando por Nova Iguaçu, com isso o trecho entre os quilômetros 31 e 54 passou a constituir parte da BR-465.

A NOITE O LOCAL É UMA ESCURIDÃO