Próximo ciclo solar pode ser o mais intenso já registrado

0
56

Cientistas estudaram 270 anos de dados de ciclos solares e manchas solares, identificando padrões de comportamento do sol. Os resultados sugerem que o próximo ciclo pode ser o mais intenso já registrado. Entenda a previsão.

Manchas solares são pequenos “escurecimentos” na superfície do sol, que ocorrem quando um campo magnético intenso diminui tanto o fluxo de energia que emana do interior do sol quanto a temperatura da região. Por isso, as manchas solares não são de fato manchas pretas ou sem luz, apenas menos brilhantes – as regiões ao seu redor são tão brilhantes que, em contraste, as manchas acabam parecendo escuras.

O fato é que as manchas solares estão diretamente relacionadas com a maioria das erupções solares e ejeções de massa do sol, que causam problemas em satélites de telecomunicações, linhas de transmissão e até interrupção no fornecimento de energia, além de atingirem astronautas com radiação nociva à saúde.

Erupções solares podem causar grandes problemas na rede de telecomunicações, na transmissão de energia e na saúde dos astronautas.

Quanto maior o número de manchas solares, maior o número de erupções solares e maior a chance de grandes problemas ocorrerem em decorrência desta alta atividade solar. Por isso, as manchas solares já motivaram milhares de investigações desde a descoberta do ciclo solar, há 175 anos – que é um período de aproximadamente 11 anos, onde sempre há um aumento e depois uma diminuição no número de manchas observadas na superfície do sol.

 

Desde então, a ênfase das pesquisas foi entender a física da formação destas manchas, além de tentar prever as propriedades dos próximos ciclos solares usando estatística ou métodos físicos. À medida que o ciclo de manchas solares alcançou maior importância social, painéis de toda a comunidade científica foram convocados e encarregados de construir opiniões de consenso sobre o próximo ciclo de manchas solares.

Hoje em dia, um grande número de técnicas é capaz de explicar os marcos temporais, a forma geométrica e a amplitude dos ciclos de manchas solares. No entanto, prever essas características com antecedência permanece um problema em aberto.

Um estudo publicado no último mês, no entanto, se mostrou uma das alternativas mais robustas já concebidas. O pesquisador Scott McIntosh e colaboradores utilizaram um método matemático (transformadas de Hilbert) para se aprofundar na relação entre o ciclo magnético do sol e a amplitude de ciclo de manchas solares, utilizando 270 anos de dados coletados.

Próximo ciclo solar pode ser o mais intenso já registrado 2
No gráfico com os últimos ciclos solares, a previsão de consenso da comunidade científica é representada pelo marcador verde, enquanto a previsão sugerida neste estudo é o marcador roxo, mais intenso. (imagem: McIntosh et al., 2020)

Os pesquisadores identificaram o que chamaram de eventos de término, que podem ser relacionados a diversos fenômenos – Entre eles, o fim do ciclo de manchas solares anterior, a intensificação do ciclo atual, e o final dos ciclos de atividade magnética. Usando estes marcadores, eles conseguiram extrair uma relação entre o número de eventos e o ciclo solar que permite realizar uma previsão com 68% de confiabilidade.

Com isso, os pesquisadores deduziram que o próximo ciclo solar (que está se iniciando agora) terá uma magnitude muito alta, que rivalizará com as maiores já registradas e pode se tornar a mais intensa da história – um resultado diferente do consenso da comunidade científica atual, que prevê um ciclo pouco ativo e parecido com o anterior.

Os resultados da pesquisa sugerem que o ciclo solar 25, que está se iniciando, será um dos mais intensos já registrados, o que vai contra o consenso da comunidade científica.

O resultado é vital para entender como o Sol se comportará nos próximos 11 anos – até aproximadamente 2031 – e permitir com que a sociedade tome ações efetivas para evitar problemas na rede de comunicações e na transmissão de energia, além de garantir a segurança dos próximos astronautas.

Fonte: Tempo