O encontro de Fusca foi realizado neste domingo (17), onde reunião 22 veículos antigos, muitos deles de colecionadores e originais. 

O evento foi realizado em dois pontos distintos, na praça do Km 50 e depois foram em carreata até o Casarão no km 47. O responsável pelo evento, Robertinho Aguiar, disse que está resgatando o encontro que acontecia faz 13 anos. “Estaremos fazendo o novo encontro no dia 31 de outubro, domingo, e depois estaremos marcando a cada duas semanas. Convidamos quem quiser participar e só me ligar (21 97272-0668), que explicarei todos os detalhes”. Disse Robertinho. 

A História do Fusca

Sete décadas atrás, no finalzinho de 1945, após o Natal que se sucedeu ao fim da Segunda Guerra Mundial, começava a ser produzido um dos modelos mais icônicos e carismáticos da história da indústria automobilística: o Volkswagen Fusca.

Conhecido na Alemanha como Volkswagen Type 1, o carrinho já nasceu com a missão de ser popular. Embora tivesse uma indústria automotiva sedimentada, na década de 1920 o país era um dos menos motorizados do continente europeu, já que os carros eram um luxo inacessível à maior parte da população – combalida financeiramente pela Primeira Guerra e, mais tarde, pelos efeitos da Grande Depressão de Nova York, em 1929. Era preciso criar um automóvel de baixo custo, que pudesse substituir as motocicletas usadas pelos alemães.

Foi para atender a essa demanda que surgiram os projetos Typ 12 e Typ 32, ambos assinados pelo engenheiro austríaco Ferdinand Porsche. Em 1933, o então chanceler alemão Adolf Hitler abraçou a ideia de Porsche de criar um “carro do povo”, mas impôs que o novo modelo fosse barato, levasse quatro passageiros e fizesse uma média de pelo menos 13 km/l de gasolina. Dezenas de protótipos se sucederam até o definitivo Typ 1, mas o desenvolvimento teve uma pausa durante a Segunda Guerra Mundial, que forçou a Volkswagen a produzir veículos militares.

Com a ocupação da Alemanha pelas potências aliadas em 1945, a fábrica da VW em Wolfsburg retomou o projeto do carro, já conhecido pelo apelido de Beetle, para que ele carro fosse usado pelas forças de ocupação no país. A produção comercial começou no final do ano e, em 1947, o Fusca passou a ser exportado e ganhou o mundo. Foram mais de 21 milhões de unidades produzidas até 2003, quando o derradeiro besouro saiu de sua última linha de montagem, em Puebla, no México.

No Brasil, o célebre Fusca teve confirmada sua vocação popular. Ele chegou importado em 1950 e, três anos depois, sua fabricação doméstica começou em São Paulo, onde a Volkswagen instalou sua primeira unidade – depois, a produção seria transferida para São Bernardo do Campo. Foram fabricados cerca de 3,3 milhões de Fuscas no Brasil, aproximadamente 16% do volume mundial.

Robertinho Aguiar