O Botafogo decidiu tomar uma atitude extrema. Na manhã dessa segunda-feira, dezenas de operários foram pegos de surpresa ao darem de cara com os portões do Estádio Nilton Santos fechados. A decisão da diretoria alvinegra foi uma resposta ao alegado descaso da Prefeitura do Rio de Janeiro, acusada pelo clube de não se manifestar diante do pedido de ressarcimento por gastos enquanto o estádio está fechado para obras. O Botafogo alega que tem R$ 3,5 milhões a receber.

O Engenhão foi reaberto para jogos em fevereiro deste ano, após quase dois anos fechado desde que foram detectadas na estrutura de sua cobertura. Apesar de o local ser utilizado para as partidas do Botafogo, as obras seguem, visando também aos Jogos Olímpicos de 2016. O Botafogo alega que neste período arcou com custos que na verdade são de responsabilidade da Prefeitura e do consórcio de construtoras que o construiu. Por isso entrou com um pedido de ressarcimento, mas não obtém qualquer retorno.

Assim, na manhã desta segunda-feira o Botafogo trancou todos os portões do estádio até que a outra parte se manifeste sobre a situação. Ainda com receitas bloqueadas pela Justiça, o clube conta com este montante que alega ter a receber para que possa quitar algumas dívidas, principalmente salários de atletas e funcionários.

– Não digo que é uma atitude radical, mas um apelo para que a Prefeitura se sensibilize, pois a situação do Botafogo é desesperadora. É preciso que entendam nossa situação. Queremos chamar a atenção da Prefeitura para que faça o pagamento, pois atualmente o clube é quem paga a obra. Nós precisamos do reembolso, pois não podemos seguir assumindo essa conta. É um chamamento ao diálogo – explicou o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira.

Ainda não há previsão da reabertura do Engenhão para os operários. O estádio, entretanto, estará normalmente aberto para jogadores e integrantes da comissão técnica do Botafogo, que treinam na tarde desta terça-feira.

images (12)

images (13)