Quando se trata de acordos internacionais de compartilhamento de inteligência, as coisas podem ficar rapidamente complicadas. Porém, não se preocupe — nós esclareceremos prontamente as principais informações sobre as Alianças dos Cinco, Nove e Quatorze Olhos.

Essas alianças podem ser um risco à sua privacidade, mas informaremos exatamente o que você deve fazer para proteger seus dados e manter anônima sua atividade online.

Descubra abaixo o que são essas alianças, e como elas afetam usuários de VPN como você. Além disso, incluímos um guia de jurisdições de VPN por país.

O que é a Aliança 5 Olhos?

A Aliança Cinco Olhos surgiu de um pacto de inteligência firmado na época da Guerra Fria, conhecido como Tratado de Segurança UK-USA. Originalmente, ele era um acordo de compartilhamento de inteligência entre os Estados Unidos e o Reino Unido com o objetivo de decifrar a inteligência da Rússia soviética.

No final da década de 1950, Canadá, Austrália e Nova Zelândia também se uniram à Aliança. Esses cinco países de língua inglesa compõem a Aliança Cinco Olhos como a conhecemos atualmente. O acordo de compartilhamento de inteligência entre os cinco países somente se fortaleceu ao longo do tempo, estendendo-se ao monitoramento de atividades online.

Por muitos anos, esse acordo era um segredo mantido entre os cinco países. Sua existência foi descoberta pelo público apenas em 2003. As coisas começaram a ficar mais claras em 2013, depois que Edward Snowden vazou diversos documentos que obteve enquanto trabalhava para a agência norte-americana NSA.

Esses documentos revelaram o amplo monitoramento governamental sobre a atividade online dos cidadãos, e continham provas de que a rede internacional de compartilhamento de inteligência é mais ampla do que imaginado até então.

Além das cinco nações principais da Aliança Cinco Olhos, foi confirmada a existência de outros dois acordos internacionais de compartilhamento de inteligência. Esses dois acordos, conhecidos como Aliança Nove Olhos e Aliança Quatorze Olhos, podem não ser tão integrados quanto a Aliança Cinco Olhos, mas eles ainda causam grandes implicações à privacidade na internet.

Confira um breve detalhamento de cada uma das três Alianças

Cinco Olhos: 

EUA
EUA
Reino Unido
Reino Unido
Canadá
Canadá
Austrália
Austrália
Nova Zelândia
Nova Zelândia

Nove Olhos: Cinco Olhos +

Dinamarca
Dinamarca
França
França
Holanda
Holanda
Noruega
Noruega

Quatorze Olhos: Nove Olhos + 

Alemanha
Alemanha
Bélgica
Bélgica
Itália
Itália
Suécia
Suécia
Espanha
Espanha

As Alianças Nove Olhos e Quatorze Olhos são basicamente extensões da Aliança Cinco Olhos original. Embora esses países possam não compartilhar tantas informações entre si, quando comparado à Aliança Cinco Olhos, eles ainda participam ativa e voluntariamente do compartilhamento internacional de inteligência.

Além dessas alianças confirmadas, vale mencionar outros países já foram pegos ou que são suspeitos de compartilhar informações com a Aliança Quatorze Olhos.

Colaboradores externos: Israel, Japão, Cingapura e Coreia do Sul

Como isto pode afetar os usuários de VPN?

As práticas de compartilhamento de inteligência desses países possuem grandes implicações aos usuários de internet e de VPNs especificamente. É seguro presumir que, caso algum desses 14 países obtenha acesso aos seus dados online, estes poderão ser, então, compartilhados com outros países.

Tudo é questão de quem detém jurisdição sobre sua atividade online quando você está usando uma VPN. Existem diversas camadas a se considerar.

Seria sua localização física? A localização do servidor? Ou a localização do provedor de VPN? Se você realmente deseja permanecer seguro, é melhor conhecer as leis e práticas dessas três possibilidades.

Conhecimento é poder

Você deve conhecer as leis e regulamentos online do país onde vive. Por exemplo, o uso de uma VPN é legalizado no seu país? Na maioria dos casos, a resposta é positiva, mas nem sempre.

Outra consideração importante é o país onde seu provedor de VPN está registrado como empresa. Recomenda-se fortemente que você não escolha um provedor de VPN que esteja sediado em algum país associado à Aliança Quatorze Olhos, caso leve sua privacidade online a sério.

Dependendo do país de localização, seu provedor de VPN pode ser obrigado a divulgar informações sobre os usuários ao governo. Em seguida, esses dados podem ser compartilhados com outros países da aliança. Você talvez nem saiba que sua privacidade foi violada.

Caso queira manter o máximo de cuidado, você também deve conhecer as práticas de vigilância do país onde seu servidor utilizado está localizado, independentemente da localização do provedor de VPN.

Por que as políticas antilogs são importantes

As diversas maneiras pelas quais as VPNs podem estar sob a jurisdição de vários governos são o motivo pelo qual as melhores VPNs para privacidade possuem rigorosas políticas antilogs. Isso significa que elas não retêm nenhum tipo de informação identificável sobre seus usuários ou a respeito da atividade online deles.

Um ótimo exemplo dessa política em vigor ocorreu com o famoso provedor de VPN ExpressVPN. Uma investigação da polícia turca que envolvia um usuário do ExpressVPN tentou forçar o provedor a fornecer dados identificáveis.

Apesar de todas as tentativas, as autoridades não conseguiram encontrar nenhuma informação identificável, devido à rigorosa política antilogs do ExpressVPN.

Por mais reconfortante que essa história seja, também há casos conhecidos de provedores de VPN que afirmaram possuir políticas antilogs e que forneceram informações confidenciais de usuários a autoridades governamentais.

Pode não ser suficiente o fato de um provedor de VPN afirmar que possui uma política antilogs, especialmente no caso de provedores de VPN que estão sob jurisdição de países das Alianças Cinco, Nove e Quatorze Olhos.

Fonte: VPN Mentor