O grupo usaria o Rio de Janeiro como ponto de passagem

A Polícia Civil acredida que os dois homens presos com cinco malas com cloridrato de cocaína fazem parte de uma quadrilha especializada em enviar remessas da droga da América Latina para a Europa. O entorpecente foi encontrado no interior de um sítio em Itaguaí, na Baixada Fluminense. O grupo usaria o Rio de Janeiro como ponto de passagem. 

Segundo as investigações, a droga estava embalada e seria colocada em uma embarcação atracada no Porto de Itaguaí. Os agentes estimam que havia 250 kg de cocaina distribuídos nas malas que estavam em um carro. Um veículo foi apreendido.

Segundo os investigadores o cloridrato de cocaína  (cocaína pura 99%) era acondicionado em malas embaladas e que traziam anilhas de ferro, utilizadas para içar o material para o interior de navios por tripulantes envolvidos com o esquema.

O quilo do cloridrato de cocaína tem valor estimado em 42 mil euros no local de entrada na Europa.