Nesta terça-feira, precisamente no dia 13 de março, completam-se 5 anos da eleição do Arcebispo de Buenos Aires (Argentina), o então Cardeal Jorge Mario Bergoglio, para Sucessor de São Pedro, tornando-o, assim, o primeiro Papa latino-americano e jesuíta.

Antes da eleição, os cardeais já tinham concordado que independente de quem fosse eleito, deveria começar uma profunda reforma na Cúria Romana. Nestes anos, Francisco demonstrou ser o Papa para os tempos atuais e segue chamando a atenção de muitos, dentro e fora da Igreja, por sua simplicidade, desprendimento, audácia e proximidade.

Após um mês de sua eleição, Francisco cria um Conselho para a reforma institucional da cúria, da qual participam 9 cardeais de sua confiança, grupo conhecido como C9.

Uma das tarefas nas quais o Pontífice mais se compromete para garantir a transparência financeira do Vaticano é a reforma econômica dos distintos órgãos da Cúria. Cria, assim, o Conselho e a Secretaria de Economia, presidido pelo Cardeal George Pell.

Em seguida, o Papa realiza viagens apostólicas à Ásia, América do Sul (Equador, Bolívia e Paraguai), África, Cuba e Estados Unidos.

Talvez a viagem mais impactante que tenha sido às Filipinas e ao Sri Lanka em janeiro de 2015. O Santo Padre celebra uma Missa em Manila para mais de seis milhões de pessoas, um evento que ficará na história como a Eucaristia por reunir o maior número de pessoas no mundo.

Em abril de 2015, o Santo Padre convoca oficialmente o Jubileu Extraordinário da Misericórdia para que a Igreja coloque em evidência sua missão de ser testemunho da misericórdia e “sejamos misericordiosos como o Pai”.

                            O Ano Santo começou com a abertura da Porta Santa na Basílica Vaticano durante a Solenidade da Imaculada Conceição, em 8 de dezembro.

Entre os dias 19 e 28 de setembro do mesmo ano, Papa Francisco realizou uma visita apostólica a Cuba e Estados Unidos, a mais longa de seu pontificado.

Em Cuba, o Santo Padre pediu liberdade para a Igreja, defendeu o fim das dinastias e teve uma reunião privada com o falecido presidente e líder da revolução, Fidel Castro. Enquanto nos Estados Unidos, participou do Encontro Mundial das Famílias, na Filadélfia.

No mês de outubro, o Papa Francisco participou do Sínodo dos Bispos sobre a Família, uma reunião mundial de representantes da Igreja em todo o todo para debater sobre os diversos desafios atuais da instituição familiar.

Ao término do Sínodo, reafirmou-se a doutrina católica sobre o matrimônio, sua indissolubilidade; e ressaltou-se a beleza da família e do plano de Deus para ela. Também foi falado sobre a situação dos divorciados em nova união.

O Papa Francisco também visitou Havana (Cuba) e teve um encontro privado, assinando uma declaração conjunta com o Patriarca ortodoxo Kirill de Moscou e de toda a Rússia. Este encontro foi o primeiro na história entre um Pontífice e o líder dos ortodoxos russos.

Imediatamente depois, foi para o México, onde realizou uma visita apostólica de 12 a 17 de fevereiro. Segundo as cifras divulgadas pela Conferência do Episcopado Mexicano (CEM), no total mais de 10 milhões e 500 mil pessoas participaram das atividades do Santo Padre.

Em 12 de março de 2016, o Vaticano confirmou que o Papa Francisco iria à Polônia de 27 a 31 de julho daquele ano, por ocasião da celebração da XXXI Jornada Mundial da Juventude.

Em 27 de julho, o Pontífice aterrissou na Polônia, especificamente em Cracóvia, onde presidiu a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), a segunda de seu pontificado, depois da realizada no Rio de Janeiro em 2013, onde mais de 3 milhões de jovens celebraram a fé com o Santo Padre.

Também pôde visitar o campo de concentração de Auschwitz, como Bento XVI fez em 2006, e o Santuário Mariano de Czestochowa.

Depois, em um Missa multidudinária celebrada em 4 de setembro na Praça de São Pedro no Vaticano, da qual estima-se que participaram cerca de 120 mil pessoas, o Papa Francisco canonizou Santa Teresa de Calcutá.

No dia 16 de outubro, o Pontífice canonizou sete novos santos no Vaticano, entre eles, o menino mexicano José Sánchez del Río, mártir da guerra cristera, e o sacerdote argentino José Gabriel do Rosário Brochero.

No ano de 2017, entre as notícias de mais destaque, esteve o recente anúncio, no dia 10 de março, de que o Papa Francisco viajará à Colômbia, de 6 a 11 de setembro, onde visitará Bogotá, Villavicencio, Medellín e Cartagena.

Em 2018, retorna à américa, onde visita o Chile e o Peru. Nesta semana, anuncia o tema do próximo Sínodo dos Bispos para a Região Pan-Amazônia “Amazônia: novos caminhos para a Igreja e para uma ecologia integral”. Além do tema, o Santo Padre divulgou o nome dos 18 membros escolhidos para integrar o Conselho Pré-sinodal – quatro deles representantes da Igreja no Brasil – que preparará a Assembleia Especial do Sínodo marcada para outubro de 2019.

Edição de matérias sobre Seropédica e atualidades.

Faça o seu comentário