O Arco Metropolitano (BR 493) foi construído para desafogar o trânsito do Rio de Janeiro, principalmente da Av Brasil, evitando o acumulo de carros, caminhões e carretas provenientes do Porto de Itaguaí e da Costa Verde. 

Devido a muitos assaltos e acidentes que vem ocorrendo nesta rodovia, muitas pessoas desviam o trajeto para a Reta do Piranema (RJ 99), que também está abandonada, com muitos buracos, sem acostamento e iluminação.

Atualmente Polícia Militar do Rio de Janeiro anunciou que passou a mobilizar três unidades operacionais da Corporação na Baixada Fluminense para a rodovia, dando apoio à Polícia Rodoviária Federal (PRF). Sob a coordenação do 3º CPA (Comando de Policiamento de Área). O planejamento contempla o trecho da Rodovia Federal entre a Rodovia Washington Luiz e a entrada de Itaguaí, na antiga Rio-São Paulo.  

De acordo com a Polícia Militar, o reforço conta com a participação de agentes do 15º BPM (Caxias), 20º BPM (Mesquita) e 24º BPM (Queimados). As equipes buscam prevenir as ocorrências de roubos de carga e veículos, consideradas as modalidades criminais de maior incidência na localidade. Outra ação prevista é a abordagem de carros considerados como suspeitos.

O maior problema é que os postes de iluminação continuam sendo derrubados em vários trechos do Arco metropolitano, para roubarem as baterias, foto células, e câmeras, deixando a rodovia sem iluminação.

Para evitar que os postes sejam derrubados, foram soldados os parafusos de fixação da base. Acontece que os Ladrões arrumaram outra forma para derrubar os postes, onde usam maçaricos ou serra. 

Alguma coisa tem de ser feito, porque não sabemos se deixaram a estrutura dos postes serrados pelo meio e com o vento possa cair para o lado da pista, causando acidente.