O Auto da Compadecida foi escrito em 1955 e deu destaque a Ariano Suassuna perante o cenário nacional. Os espectadores e os leitores logo se identificaram com a obra devido ao seu caráter popular e moderno que tinha como ferramenta a coloquialidade e o regionalismo nordestino. A peça mistura a literatura popular nordestina com os autos medievais resultando em um texto marcado por humor e caráter moral.

O protagonista dribla a má sorte de uma vida de miséria e fome no sertão do Nordeste com sua esperteza e trapaças, ao seu lado sempre está o amigo Chicó. Dois nordestinos, João Grilo e Chicó são os personagens centrais da peça. João Grilo é o que se aproveita da estupidez dos ricos e do clero para exercer sua esperteza e sempre consegue levar a melhor. Chicó é o covarde e mentiroso. João Grilo depois que consegue convencer o padre a enterrar o cão do padeiro, e vender um gato à mulher adúltera do patrão, tenta enganar o cangaceiro Severino, mas é morto pelo homem que trabalha para o cangaceiro. Todos são mortos, menos Chicó, que sai de cena para rezar pelo amigo.

João Grilo vai parar no tribunal celeste e não aceita as acusações do diabo (Encourado) diante de Manuel (Cristo) e chama por Nossa Senhora (Compadecida). Com toda sua esperteza, consegue superar o diabo. Vão para o purgatório: o bispo, o padre, o sacristão, o padeiro e sua mulher; Severino e o “cabra” vão para o céu; e João Grilo, graças à intervenção de Compadecida, volta à vida com a promessa de se portar direito. Reencontra-se com Chicó, que prometeu todo o dinheiro para Nossa Senhora.

A Secretaria de Educação, Cultura e Esportes de Seropédica, vem cada vez mais investindo na Cultura e com isso formando cada vez mais atores que fazem de suas apresentações um momento único, onde o profissionalismo se destaca, deixando o público entusiasmado, arrancando risos e aplausos de todos. A Secretaria de Educação enviou ônibus para buscar os alunos do EJA (Educação de Jovens e Adultos) para assistirem esta peça teatral.

A Secretária de Educação Cultura e Esporte Lucia Martinazzo falou sobre a importância do Teatro na Educação: ” A finalidade do jogo teatral na educação escolar é o crescimento pessoal e o desenvolvimento cultural dos alunos por meio do domínio, da comunicação e do uso interativo da linguagem teatral, numa perspectiva improvisacional ou lúdica” destaca Lucia.

A Subsecretaria Nádia Alvarez estava muito feliz assistindo a apresentação da peça no Anfiteatro Gustavo Dutra da UFRRJ pelos membros da Cultura. “A prática teatral favorece experiências que vão além do processo de integração e do enriquecimento da criatividade. A vivência teatral promove a ampliação da visão de mundo, estimula e desenvolve a consciência cultural e auxilia o indivíduo a se organizar em grupo, desenvolvendo a consciência da coletividade” comemora Nadia.DSC_0021

FICHA TÉCNICA

A Companhia Teatral de Seropédica traz ao grande público um clássico da literatura do nosso país, O Auto da Compadecida de Ariano Suassuna. Com adaptação de Wellton da Silva e direção geral de Nádia Alvarez, João Grilo, Chicó e tantos outros personagens queridos pelo público tomam vida no palco nesta história que traz a tona discussões tão cotidianas como o momento do tão temido juízo final.

Adaptação – Wellton da Silva

Direção Geral – Nádia Alvarez

Preparação de Elenco – Carolina Ferreira

Sonorização – Taty de França e Wallace Ribeiro

Iluminação – Nádia Alvarez e Belchior

Elenco:

Chicó – Ithalo Marthins

João Grilo – Wellton da Silva

Padre João – Alexandre Ferreira

Bispo – David Lima

Padeiro – Lucas Félix

Mulher do Padeiro – Vânia Marthins

Major Antônio Morais – Cleivison Carvalho

Rosinha – Alexandra Blondet

Severino – Ludoviko Vianna

Cangaceiro – Edson Campos

Jesus – Misso Cezário

Nossa Senhora – Cristiani Soares

Encourado – Carolina Ferreira

 

Faça o seu comentário