Não seja espectador passivo da vida! Contribua para promover a sua saúde mental e a dos outros!

Foi realizado nesta última sexta-feira 26/09 a comemoração dos 17 anos do CAPS Bicho da Seda. A comemoração foi feita com apoio dos familiares e amigos dos internos no Centro de Atenção Psicossocial no prédio do Bicho da Seda. A festança estava repleta de quitutes, Doce de Abobora, maça do amor, doce de mamão verde, bolos, salgados, quindins etc. feito com carinho pelos parentes dos internos.

O Subsecretario de Saúde Wagner Teixeira esteve presente acompanhado Subsecretária de Saúde e Desenvolvimento e Estruturação de Seropédica Dulce Maria de Souza Inoe e disse: “Superamos um ano de muitas dificuldades, de adaptação a um novo perfil, cumprindo nosso papel de assegurar o atendimento aos usuários no município, em especial, àqueles em situação de crise, como prevê a lei federal da Reforma do Sistema Psiquiátrico e avançamos no acolhimento, mas ainda precisamos ampliar mais com outras atividades físicas, lúdicas e de reintegração para que eles possam ser totalmente reabilitados”.

Maria Aparecida Conceição Lopes 73 anos mãe de um interno, estava muito feliz pela melhora de seu filho: “Eu tenho tratado do meu filho aqui no CAPS desde que ele estava localizado no Bairro Piranema a 17 anos, então conheci a Dra. Sueli, a Conceição a Jupiara, Dr. Sergio, Dr. Luiz, eles fizeram acompanhamento do meu filho, Naquele tempo não tinha médico especializado no tipo de doença que meu filho tinha, desde que conheci eles se tornaram minha família, antes disso ele era agressivo e vivia internado, hoje meu filho está calmo, graças esta equipe maravilhosa do CAPS” destaca Maria.

A Psicóloga do CAPS Sueli Ritz Maia disse que tem acompanhado 68 pacientes diariamente, ela disse que a doença mais comum nos internos é a esquizofrenia, e usuários de drogas. Já a Terapeuta Ocupacional e Familiar Maria Conceição Silva Gonçalves fala que atende diariamente cerca de 18 internos e todos os dias fazemos acolhimento que entra na estatística de atendimento, as vezes precisamos atender os internos em sua residência, gostamos do que fazemos, em saber que que damos carinho a uma pessoa que é excluída pela sociedade.

Fabiola Spolador Ramalho Assistente Social e Coordenadora do CAPS Bicho da Seda falou que: “Sua equipe atende cerca de 500 pessoas todos os meses, os internos chegam aqui pela manhã, tomam café, fazem atividades terapêuticas, oficinas, almoçam, no final da tarde tomam um lanche, recebem a medicação da tarde, e são levados em casa, e não vão sozinhos. Aqui dentro das atividades de oficina temos expressão livre com a Terapeuta Ocupacional e Psicologia, temos a Oficina de Saúde e Beleza, temos oficina de Caminhada, Oficina de Costura, e estamos implementando outras oficinas” concluiu.

Problemas de saúde mental mais frequentes

  • Ansiedade
  • Mal-estar psicológico ou stress continuado
  • Depressão
  • Dependência de álcool e outras drogas
  • Perturbações psicóticas, como a esquizofrenia
  • Atraso mental
  • Demências

Estima-se que em cada 100 pessoas 30 sofram, ou venham a sofrer, num ou noutro momento da vida, de problemas de saúde mental e que cerca de 12 tenham uma doença mental grave.

A depressão é a doença mental mais frequente, sendo uma causa importante de incapacidade.

Em cada 100 pessoas, aproximadamente, 1 sofre de esquizofrenia.

Quem pode ser afectado

A o longo da vida, todos nós podemos ser afectados por problemas de saúde mental, de maior ou menor gravidade.

Algumas fases, como a entrada na escola, a adolescência, a menopausa e o envelhecimento, ou acontecimentos e

dificuldades, tais como a perda de familiar próximo, o divórcio, o desemprego, a reforma e a pobreza podem ser causa

de perturbações da saúde mental.

Factores genéticos, infecciosos ou traumáticos podem também estar na origem de doenças mentais graves.

Falsos conceitos sobre a doença mental

As pessoas afectadas por problemas de saúde mental são muitas vezes incompreendidas, estigmatizadas, excluídas ou

marginalizadas, devido a falsos conceitos, que importa esclarecer e desmistificar, tais como:

  • As doenças mentais são fruto da imaginação;
  • As doenças mentais não têm cura;
  • As pessoas com problemas mentais são pouco inteligentes, preguiçosas, imprevisíveis ou perigosas.

Estes mitos, a par do estigma e da discriminação associados à doença mental, fazem com que muitas pessoas tenham

O tratamento deverá ser sempre procurado, uma vez que a recuperação é tanto mais eficaz quanto precoce for o

tratamento.

Mesmo nas doenças mais graves é possível controlar e reduzir os sintomas e, através de medidas de reabilitação,

Todos nós podemos ajudar

  • Não estigmatizando;
  • Apoiando;
  • Reabilitando;
  • Integrando

Integração das pessoas com doença mental

Os indivíduos afectados por problemas de saúde mental são cidadãos de pleno direito. Não deverão ser excluídos do

resto da sociedade, mas antes apoiados no sentido da sua plena integração na família, na escola, nos locais de

trabalho e na comunidade.

A escola deverá promover a integração das crianças com este tipo de perturbações no ensino regular.

Deverão ser criadas mais oportunidades no mundo do trabalho para as pessoas portadoras de doença mental.

O envolvimento das famílias nos cuidados e na reabilitação destas pessoas é reconhecido como factor chave no sucesso

do tratamento.

Para manter uma boa saúde mental

  • Não se isole
  • Reforce os laços familiares e de amizade
  • Diversifique os seus interesses
  • Mantenha-se intelectual e fisicamente activo
  • Consulte o seu médico, perante sinais ou sintomas de perturbação emocional.
  • DSC_0171DSC_0172DSC_0174DSC_0178DSC_0192DSC_0187DSC_0185

Faça o seu comentário