Dor intensa debaixo do pé pode indicação de fascite plantar

Com as temperaturas altas durante o verão, a maioria das mulheres escolhem a rasteirinha como calçado preferido da estação. Mas o que parece sinônimo de conforto, se usado em excesso, pode causar transtorno futuro, com o desenvolvimento da fascite plantar.

A doença é um processo inflamatório ou degenerativo que afeta a fáscia plantar, membrana de tecido conjuntivo fibroso e pouco elástico, que recobre a musculatura da sola do pé, desde o osso calcâneo, e que garante o formato do calcanhar, até a base dos dedos dos pés.

A fáscia plantar auxilia a manter a curvatura do pé firme, graças à sua capacidade de amortecer e distribuir o impacto.

O principal sintoma da doença são dor intensa debaixo do pé, perto do calcanhar. Geralmente, a dor é mais intensa pela manhã, mas alivia durante o dia com o caminhar. Inchaço e vermelhidão também podem aparecer com a doença.

O presidente da ABTPé (Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé) esclarece que os melhores sapatos – quando se planeja fazer longas caminhadas durante o dia – são aqueles que dão apoio ao calcanhar, não comprimem os dedos e têm cadarços ou tiras que segurem o calçado no lugar. “Uma alternativa é usar sapatilha com sola um pouco mais grossa e também com um salto pequeno, de uns dois centímetros, para aliviar a pressão no calcanhar e na coluna”, pontua.

A recuperação da fascite plantar costuma ser lenta. O tratamento pode ser realizado por meio de medicamentos antiinflamatórios e analgésicos, uso de palmilhas especificamente moldadas e fisioterapia diária, que pode ser realizada em casa, desde que haja orientação médica.

A intervenção cirúrgica não é comumente indicada e ocorre apenas quando os tratamentos não trazem melhora aos pacientes. Existem algumas opções cirúrgicas que consistem em alongar a fáscia plantar ou a musculatura da panturrilha.

Fonte: Guia Taubaté

Faça o seu comentário