Ratos tiveram intestino destruído depois de consumirem por 90 dias milho transgênico!

Qual a sua atitude em relação aos alimentos transgênicos?

Acha-os inofensivos?

Um estudo recente realizado por uma universidade egípcia acende mais um sinal de alerta sobre esses alimentos.

Alguns ratos de laboratório, na pesquisa realizada, foram submetidos ao consumo de uma variedade de milho transgênico desenvolvida especialmente para o mercado egípcio,

Eles se alimentaram desse milho durante 90 dias.

O resultado foi terrível: os ratos sofreram sérios danos na membrana mucosa do intestino delgado.

Toda parte desse órgão que foi atingida pelos nutrientes do alimento sofreu alterações.

O intestino ficou achatado, distorcido e com algumas células unificadas – principalmente as que revestiam o órgão.

É possível ver os danos claramente nas imagens que foram tiradas durante o estudo.

Além de tudo isso, as glândulas mucosas foram interrompidas e os vasos sanguíneos ficaram congestionados.
E tem mais!

Sinais de inflamação nos glóbulos brancos foram vistos por toda a área.

As células mucosas também se apresentaram com desprendimento, houve aumento do número de células caliciformes secretoras e maiores taxas de divisão das células que revestem as criptas.

O estudo foi orientado por Marwa Ibrahim e Ebtsam Okasha, da Faculdade de Medicina da Universidade de Tanta, no Egito.

Os pesquisadores concluíram que o consumo de milho geneticamente modificado altera profundamente a estrutura histológica [microscópica] jejunal:

“Os resultados do presente estudo podem mostrar que, apesar dos relatórios de segurança sobre os produtos transgênicos, o milho transgênico alterou profundamente a estrutura histológica da mucosa jejunal em muitos níveis e revelou vários sinais alarmantes, como as lesões hemorrágicas proliferativas e erodidas Além de várias alterações ultraestruturais descritas aqui pela primeira vez para o jejuno sob influência do milho GM”.

 

Os pesquisadores pediram mais pesquisas para esclarecer os mecanismos pelos quais o milho analisado (o MON810: Ajeeb YG) exerceu esse efeito.

Os mecanismos possíveis incluem um efeito direto prejudicial sobre a mucosa jejunal pela toxina Bt (Cry1Ab) presente no milho GM ou um efeito indireto via interrupção das bactérias intestinais.

Qualquer mecanismo poderia levar a alterações estruturais da mucosa intestinal.

Os achados deste estudo são dramáticos e significativos.

No entanto, certas limitações precisam ser reconhecidas.

Por exemplo, não houve avaliação da presença de contaminantes tóxicos, como micotoxinas e resíduos de pesticidas nas dietas diferentes.

Ambos os tipos de contaminação podem causar efeitos nocivos para a saúde.

Por isso, não é possível atribuir definitivamente o dano sofrido pelos ratos ao milho GM.

Mas é inegável que os resultados sugerem fortemente que esta pode ser a causa.

Especialmente quando este estudo é colocado no contexto de investigações anteriores de efeitos tóxicos do consumo do mesmo milho GM (MON810: Ajeeb YG).

Fonte:  GM Watch

Este é um Site de notícias. Ele não substitui um especialista. Consulte sempre seu médico.

The following two tabs change content below.

Luiz Calderini

Edição de matérias sobre Seropédica e atualidades.

Comentários