Mentir é falar ou dizer algo contrário à verdade; é a expressão e manifestação contrária ao que alguém sabe, crê ou pensa. Pode-se crer na mentira, falar mentira e praticar a mentira. É o engano em seus diferentes aspectos; nocivo ao ser humano e ofensa grave diante de Deus. O diabo é o pai da mentira (João 8:44) e, portanto, a mentira é um instrumento diabólico que o homem usa para sua própria perdição. O mais triste é que o homem ama a mentira, não ama a verdade pois ele é mau por natureza (Romanos 1:25; Apocalipse 22:15).

A verdade sempre é a melhor escolha que um ser humano pode fazer. Tudo que foge daquilo que é verdadeiro, é desonesto, falso e enganoso. E isso não é nada louvável. A mentira e o engano estão presentes no cotidiano de todos nós de alguma forma. Ela pode ser exposta quando damos aquele sorriso sem graça e nada espontâneo, ou quando simplesmente perguntamos pra alguém como ela está, sem que verdadeiramente estejamos interessados em saber do seu estado. Sem duvidas, a mentira, e a falsidade, mesmo que de tamanho pequenino e quase imperceptível, está ali presente. É real.  A gente é que não gosta de percebê-los e nem fazemos questão de sermos mais transparentes. O grande escritor Machado de Assis, disse algo certo:

 “A mentira é muita vezes tão involuntária como a respiração.”

Bom, a transparência é a base para estabelecer qualquer tipo de relação. Ser transparente é viver sem máscaras e sem véus. É ter apenas uma imagem. É ser a imagem real e original que habita dentro de nós. Ou seja, quando digo que sou transparente, é porque eu vivo como reflexo da minha essência interior. Sem contornos, sem adereços, sem algum tipo de inserção que possa me fazer ser aquilo que não sou. É ser honesto comigo mesmo.

Mas infelizmente, a humanidade vive sob uma gama de disfarces e máscaras. Temos dificuldade de assumir quem verdadeiramente somos e o que queremos de fato. Sendo assim, agimos clandestinamente por causa de uma imagem mantida por essas tais máscaras. E por vezes, se autodesmascarar pode doer mais do que tirar a própria pele. Nesse caso, a coisa já tomou uma proporção grande, e então há um grande problema de identificação.

Sem falar naquelas pessoas que tem prazer pela mentira. Qualquer coisa é motivo pra mentir. O que já é um distúrbio mental. E isso gera descrédito, desconfiança, inimizade, problemas de ordem social e familiar. O individuo cria um ciclo de mentira, criando fatos e circunstancias, e desse modo acaba acreditando nessa realidade paralela. Realidade falsa, problemática e  quase esquizofrênica. Digo quase, porque, enquanto na mitomania a pessoa se sente confortável com essa realidade paralela, na esquizofrenia a pessoa sofre de paranóia.

O grande problema é que quem mente, cria desconfiança total. Quem mente em coisas pequenas, facilmente mentirão com coisas grandes. Quem mente tem problema de caráter e é desonesto. O individuo que mente várias vezes, já não tem mais o controle e está vivendo de forma  desequilibrada. E o desequilíbrio só traz confusão. Só traz insucesso. E a mentira é uma forma fácil de levar a vida, de maneira que as responsabilidades são deixadas de lado. Quem vive mentindo esconde-se num mundo de covardia.

O que falar também do falso testemunho? Da calúnia? Esse tipo de mentira não tão somente afeta aquele que mente, mas principalmente aqueles para os quais a mentira foi endereçada. Triste e lamentável ver pessoas perderam seu nome, sua dignidade, por causa de invejosos, recalcados que criaram falsas circunstancias a fim de que a pessoa caia e seja detonada. Uma crueldade a calúnia. E além de ser um ato imoral, é crime. O artigo 138 do Código Penal diz que acusar alguém falsamente por um crime cometido é crime com pena de 6 a 2 anos. Mas o povo não ta nem aí. Caluniam mesmo! E as injúrias? Na prática, é qualquer xingamento. Chamar alguém de “rameira”, “puta”, etc, pode ser enquadrado aqui. Se for algo relacionado à cor, raça, etnia ou condição de deficiência, a coisa fica mais grave e o usuário passa a ser enquadrado na lei 10.741, de 2003, contra discriminação. A pena pode chegar a três anos e multa. Pra você ver que a mentira é algo que envolve uma gama de elementos podres e tétricos, e que estragam a vida das pessoas.

Pessoas que vivem na ausência do bem e do amor utilizam uma das práticas mais antigas e constantes na história da humanidade para tentar ferir aos outros: a prática da calúnia e difamação.

Quem ama não calunia, como bem propunha o apóstolo Paulo em seu consagrado texto aos Coríntios sobre o amor. Esse texto não trata apenas do amor romântico, como muitas vezes se supõe, é muito mais abrangente e deveria fazer parte do código de conduta de todos nós, independentemente da escola religiosa a que pertençamos. O fato é que o amor não calunia, nem difama. Calúnia e difamação são frutos de mentes e corações distantes do amor.

A calúnia e difamação são da família da inveja, do ódio, do egoísmo e do orgulho. São as armas prediletas para atacar as pessoas de bem; afinal, não se pode caluniar uma má pessoa, isso não seria calunia, apenas constatação.

Na impossibilidade de ferir as pessoas corretas através da verdade, uma vez que sua conduta não permite, essas pessoas “doentes” utilizam-se da mentira sob o formato de calúnia e difamação (crimes constantes em nosso código penal). Criam, inventam, aumentam, distorcem e fazem tudo o que seja necessário para tentar sujar a imagem de seus desafetos.

Essa prática é muito mais comum do que gostaríamos, circula em suas formas mais populares e cotidianas, através da fofoca, por exemplo. – raramente uma fofoca é fiel à realidade, vem sempre associada ao fel da maldade e ao sabor da inveja… – circula também em suas formas mais elaboradas, onde verdadeiros planos e complôs são armados para atingir pessoas-alvo.

A mentira não é de Deus. Ele é um ser verdadeiro. A sua Palavra nos diz, através do evangelista João, que Ele é a verdade e a vida. A verdade mora com Ele. E se tem algo que podemos atribuir a Satanás como  sendo sua paternidade, é a mentira. Ele é o pai de todo engano. Ou seja, se vivemos numa vida de mentira e de engano, é porque estamos cada vez mais parecidos com ele. Pare com essa vida de falsidade. Pare de mentir. Pare de criar realidades fantasiosas. Seja verdadeiro e não diga falso testemunho de seu companheiro, ou de quem quer que seja. Deixe para traz toda essa vida de difamação e injurias e entregue-se à verdade e a transparência. Deixe Cristo Jesus entrar no teu ser transformar todo seu ser. Prefira sempre a verdade. Fale sempre a verdade. Viva a verdade. Ame de verdade. Perdoe de verdade.

 

pai da mentira

Um abraço e que Deus nos abençoe!

J.C.Marques