Firjan participa do Pavilhão Brasileiro na Offshore Technology Conference 2022

0
66

Após um período de restrições e recuperação frente à pandemia, o Brasil marca forte presença na OTC, maior feira offshore do mundo

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) marcou presença na abertura da Offshore Technology Conference – OTC 2022, maior feira offshore do mundo, em Houston, nos Estados Unidos. A Federação mais a Firjan SENAI e a Firjan SESI estão presentes no estande da ONIP (Organização Nacional da Indústria do Petróleo), no Pavilhão Brasil, organizado pela ApexBrasil.

Em coletiva de imprensa, organizada pela ApexBrasil para jornalistas internacionais, o vice-presidente da Firjan, Raul Sanson, destacou que estado do Rio de Janeiro é a capital do óleo e gás no Brasil. “Não apenas temos as principais empresas lá instaladas, mas também é no estado fluminense que as principais oportunidades offshore estão localizadas, com mais de 60 bilhões de dólares em projetos em desenvolvimento”, afirmou Sanson.

A previsão de investimentos e os novos leilões de petróleo e gás no Brasil são fatores que ajudam a explicar o otimismo reinante este ano feira este ano. “O que temos ouvido aqui é que o Brasil, novamente, é a bola da vez. A feira deste ano é de retomada. O Brasil está com uma presença muito forte e marcante. O pavilhão brasileiro está com o dobro de área em comparação com as edições passadas”, contou a gerente de Petróleo, Gás e Naval da Firjan, Karine Fragoso.

Transição energética

Segundo ela, os brasileiros estão em peso na feira, com pequenas empresas, grandes companhias, operadoras e instituições. “É um esforço coletivo para apresentar um Brasil que está fazendo seu dever de casa, preparando as bases para ter um ambiente de negócios mais saudável”, complementou Karine.

Em reunião com a nova consulesa-geral do Brasil em Houston, Maria Izabel, a delegação fluminense explicitou o potencial do estado, perspectivas e se colocou à disposição para estreitar relacionamento entre as cidades do Rio e Houston. A pauta de transição energética é tema de peso na feira. Rafael Chaves, diretor de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade da Petrobras, destacou que se um barril do pré-sal fosse produzido no mundo emitiria 70% mais carbono, ressaltando a expertise nacional.

 

Com mais da metade do congresso direcionado para temas de novas energias e descarbonização, o Brasil nesse sentido representa um diferencial competitivo através de sua matriz energética altamente renovável e forte investimento no desenvolvimento de soluções tecnológicas.

Fonte: Diário do Rio