Resultado final, com os nomes dos vencedores, será publicado em julho

Jurados do Prêmio Rio de Literatura elegeram, nesta terça-feira, 07/03, os finalistas da primeira edição da premiação. Parceria entre a Fundação Cesgranrio e a Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, o prêmio foi criado com objetivo de reconhecer a qualidade da produção literária nacional. Serão selecionadas as melhores obras em duas modalidades: Obras Publicadas – dividida nas categorias de Ficção e Ensaio – e Novo Autor Fluminense.

O júri, dividido em três comissões distintas, analisou separadamente cada grupo e chegou a um total de 60 concorrentes, 20 por categoria. O anúncio dos vencedores acontecerá em julho.

Nesta sua primeira edição, o prêmio recebeu mais de 600 inscrições. A categoria Obras Publicadas/Ficção teve 346 obras inscritas; na categoria Novo Autor Fluminense, foram 197 inscrições; e, por fim, Obras Publicadas/Ensaio contou 64 títulos. No total, 35 editoras de todo o Brasil inscreveram autores, entre elas Companhia das Letras, Record, Rocco, Intrínseca, Planeta, Zahar e Leya.

Na modalidade voltada para escritores experientes, os autores dos livros selecionados serão premiados, cada um, com R$ 100 mil.

A segunda modalidade, exclusiva para descobrir os novos talentos do estado do Rio de Janeiro, abrange novos nomes da literatura que tenham nascido ou residam no estado do Rio de Janeiro. A iniciativa, além de oferecer R$ 10 mil ao vencedor, ainda vai viabilizar a edição e a publicação de mil exemplares de sua obra, que serão doados ao autor e distribuídos para bibliotecas públicas e comunitárias do estado.

O júri dessa primeira fase se dividiu em três comissões, sendo cada uma delas responsável pela avaliação das obras de uma categoria específica.

A comissão que escolheu os finalistas para Novo Autor Fluminense contou com André Gardel, Écio Salles, Marcelo Moutinho, Mary Del Priore e Ramon Mello.

Já Obras Publicadas/Ficção teve seus finalistas definidos por Anna Maria de Oliveira Rennhack, Celina Portocarrero, Clarisse Fukelman, Diana Klinger, Giovanna Dealtry e Suzana Vargas.

Em Obras Publicadas/Ensaio, os jurados foram Danielle Corpas, Eduardo F. Coutinho, Eneida Leal Cunha e Paulo Roberto Pires.

O Conselho Curador é formado por Arnaldo Niskier, Beatriz Resende, Carlos Alberto Serpa de Oliveira, Ítalo Moriconi e Marcos Vilaça.

Esta é a lista completa de finalistas (em ordem alfabética, por nome do autor):

Obras Publicadas – Ficção

“Queria ver você feliz”, de Adriana Falcão (Ed. Intrínseca)

· “Escritos ao sol”, de Adriano Espínola (Ed. Record)

· “A primeira história do mundo”, de Alberto Mussa (Ed. Record)

· “Jeito de matar lagartas”, de Antonio Carlos Viana (Ed. Companhia das Letras)

· “Agora aqui ninguém precisa de si”, de Arnaldo Antunes (Ed. Companhia das Letras)

· “Anatomia do paraíso”, de Beatriz Bracher (Editora 34)

· “Vida de cinema”, de Cacá Diegues (Ed. Objetiva)

· “Paisagem de porcelana”, de Claudia Nina (Ed. Rocco)

· “Por escrito”, de Elvira Vigna (Ed. Companhia das Letras)

· “Palavras cruzadas”, de Guiomar de Grammont (Ed. Rocco)

· “Enigmas da primavera”, de João Almino (Ed. Record)

· “Caderno de um ausente”, de João Anzanello Carrascoza (Ed. Cosac Naify)

· “Ainda estou aqui”, de Marcelo Rubens Paiva (Ed. Alfaguara)

· “Quarenta dias”, de Maria Valéria Rezende (Ed. Alfaguara)

· “Nossa Teresa – Vida e morte de uma santa suicida”, de Micheliny Verunschk (Ed. Patuá)

· “A camisa do marido”, de Nélida Piñon (Ed. Record)

· “Sermões”, de Nuno Ramos (Ed. Iluminuras)

· “O amor das sombras”, de Ronaldo Correia de Brito (Ed. Alfaguara)

· “O homem-mulher”, de Sérgio Sant’anna (Ed. Companhia das Letras)

· “Mil rosas roubadas”, de Silviano Santiago (Ed. Companhia das Letras)

Obras Publicadas – Ensaio

· “João do Rio e seus cinematographos: o hibridismo da crônica na narrativa na Belle Époque carioca”, de Aline da Silva Novaes (Ed. Mauad X)

· “Dois letrados e o Brasil Nação”, de Antonio Arnoni Prado (Editora 34)

· “A queda”, de Antonio Nahas Junior (Ed. Scriptum)

· “Mulher, casa e cidade”, de Antonio Risério (Editora 34)

· “Ditadura e democracia no Brasil”, de Daniel Aarão Reis Filho (Ed. Zahar)

· “Metafísicas canibais”, de Eduardo Viveiros de Castro (Ed. Cosac Naify)

· “Autobiografia poética e outros textos”, de Ferreira Gullar (Ed. Autêntica)

· “A ficção de Deus”, de Gustavo Bernardo (Ed. Annablume)

· “Diálogo com cartas”, de Jocy de Oliveira (Ed. Sesi Edições)

· “A construção política do Brasil”, de Luiz Carlos Bresser-Pereira (Editora 34)

· “Os eixos da linguagem”, de Luiz Costa Lima (Ed. Iluminuras)

· “Moda e publicidade no Brasil nos anos 1960”, de Maria Claudia Bonadio (Nversos Editora)

· “Volto semana que vem”, de Maria Pilla (Ed. Cosac Naify)

· “Notas sobre outros corpos possíveis”, de Paulo Emílio Azevedo (Paulo Emílio Azevedo)

· “A palavra modernista: vanguarda e manifesto”, de Pedro Duarte (Casa da Palavra)

· “Variações sobre o mesmo tema: ensaios de crítica, história e teoria literárias”, de Roberto Acízelo de Souza (Ed. Argos)

· “A capital da vertigem”, de Roberto Pompeu de Toledo (Companhia das Letras)

· “As universidades e o regime militar”, de Rodrigo Patto Sá Motta (Ed. Zahar)

· “A formiga leão e outros animais na Guerra do Paraguai”, de Sérgio Medeiros (Ed. Iluminuras)

· “O circuito dos afetos”, de Vladimir Safatle (Ed. Cosac Naify)

Novo autor fluminense

· “Cristo Radioativo”, de Ana Luísa de Assis

· “Há um colete salva-vidas embaixo do seu assento”, de Ana Paula El-Jaick

· “O que ficou por fazer”, de Anna Luisa Araujo

· “Amores Monstruosos”, de Clara Ferrer

· “Risco de Fricção”, de Daniel Rolim Rocha

· “Sete Pecados”, de Eduardo Buzzinari Ribeiro de Sá

· “Alguns humanos”, de Gustavo Pacheco

· “O ciclo escolar secreto”, de Helton Lacerda

· “A intrusa”, de Izabela Guimarães Guerra Leal

· “O jardim dos anjos”, de José Guilherme Vereza

· “Apenas pequenas histórias”, de Juan Page

· “Morro Trapoeraba”, de Lourival Pacheco

· “Solidão e outras companhias”, de Márwio Câmara

· “Política de sigilo”, de Miguel Jr.

· “O Efeito Dimures”, de Nilson Lattari

· “Eletricaestrela”, de Nuno Virgílio Neto

· “Predestinação ao labirinto”, de Parsifae

· “Celéstia, a guerreira do Orun”, de Paulo de Carvalho

· “O bar das flores amarelas caídas e outras histórias”, de R. M. Olli

· “Contraversão”, de Victor Ferreira Miranda

premio rio litertura