Protocolado por deputados bolsonaristas nesta terça-feira (18) e anunciado em plenário, o pedido de impeachment do governador Wilson Witzel (PSC) não tem data para ser levado à frente — ou encaminhado a uma gaveta na Assembleia Legislativa do Rio.

O regimento da Casa não dá um prazo à mesa diretora para decidir o que fazer.

Sete deputados do PSL — o líder, Doutor Serginho, junto com Alana Passos, Anderson Moraes, Coronel Salema, Filippe Poubel, Márcio Gualberto e Renato Zaca — deram entrada no documento, acusando o chefe do Palácio Guanabara de crime de responsabilidade no caso das suspeitas de arapongagem.

Os bolsonaristas citam como primeira testemunha do caso… o presidente Jair Bolsonaro, inimigo jurado de Witzel.

O último pedido de impeachment apresentado à Assembleia foi do então governador Luiz Fernando Pezão. A mesa diretora aprovou o documento e a comissão foi formada — longo antes de o mandato terminar.

Faça o seu comentário