“Brasil ame-o ou deixe-o”

A frase “Brasil ame-o ou deixe-o” foi comum na época do Governo Militar do Brasil. Para enfrentar os grupos guerrilheiros comunistas espalhados pelo País. O governo militar montou uma verdadeira “operação de guerra”, destacando diversos órgãos com a missão de localizar os comunistas infiltrados de outros países. Nesta época os comunistas queriam que nossa Bandeira fosse vermelha, com uma foice e um martelo, copiando bandeiras de outros países comunistas.

BENEFÍCIOS CRIADOS PELO REGIME MILITAR NO BRASIL 1964-1985:

  
  Presidente Humberto Castello Branco
         15/04/1964 a 15/03/1967
Está mais do que confirmado, inclusive por alguns participantes da luta armada, que a verdadeira intenção dos “resistentes”, como alguns se intitulam, não era, apenas, derrubar o regime militar e sim implantar uma ditadura marxista-lenista. Se os militares não tivessem desfechado a Contra-Revolução em 1964,  uma  ditadura comunista estaria implantada no Brasil e estaríamos, até hoje, subjugados a um modelo ditatorial comunista, semelhante ao cubano, ou, no mínimo, estaríamos como a Colômbia, lutando, há mais de 40 anos,  contra uma guerrilha semelhante a que é mantida pelas Farc. Essa verdade não é revelada…
 Nega-se também que  a base do desenvolvimento do  país,  a infra-estrutura de hoje, foi criada e implantada durante o regime militar. 
Aproveitando o 46º aniversário da Contra -Revolução vamos relembrar algumas realizações do governo militar:
– Restabelecimento da autoridade por 21 anos;

– Criação de 13 milhões de empregos;
– A Petrobrás aumentou a produção de 75 mil para 750 mil 

 
       Presidente  Arthur da Costa e Silva
           15/03/1967 a 31/08/1969

barris/dia de petróleo;
– Estruturação das grandes construtoras nacionais;
– Crescimento do PIB de 14%;
– Construção de 4 portos e recuperação de outros 20;
– Criação da Eletrobrás;
– Implantação do Programa Nuclear;
– Criação da Nuclebrás e subsidiárias;
– Criação da Embratel e Telebrás (antes, não havia ‘orelhões’ nas ruas nem se falava por telefone entre os Estados);
– Construção das Usinas Angra I e Angra II;
– Desenvolvimento das Industrias Aeronáutica e Naval (em 1971 o Brasil foi o 2º maior construtor de navios do mundo);
– Implantação do Pró-álcool em 1976 (em 1982, 95% dos carros no país rodavam a álcool);
– Construção das maiores hidrelétricas do MUNDO: Tucuruí, Ilha Solteira, Jupiá e Itaipú;
– Brutal incremento das exportações, que cresceram de 1,5 bilhões de dólares para 37 bilhões; o país ficou menos   dependente do café, cujo valor das exportações passou de mais de 60% para menos de 20% do total;
– Rede de rodovias asfaltadas, que passou de 3 mil para 45 mil km;
– Redução da inflação galopante com a criação da Correção Monetária, sem controle de preços e sem massacre do funcionalismo público;
– Fomento e financimento de pesquisa: CNPq, FINEP e CAPES;

  
 Presidente Emílio Garrastazu Médici
       30/10/1969 a 15/04/1974

– Aumento dos cursos de mestrado e doutorado;
– INPS, IAPAS, DATAPREV, LBA, FUNABEM;
– Criação do FUNRURAL – a previdência para os cidadãos do campo;
– Programa de merenda escolar e alimentação do trabalhador;
– Criação do FGTS, PIS, PASEP; (**)
– Criação da EMBRAPA (70 milhões de toneladas de grãos); (**)
– Duplicação da rodovia Rio-Juiz de Fora;
– Criação da EBTU;
– Implementação do Metrô em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Recife e Fortaleza;
– Criação da INFRAERO, proporcionando a criação e modernização dos aeroportos brasileiros (Galeão, Guarulhos, Brasília, Confins, Campinas – Viracopos, Salvador, Manaus);
– Implementação dos Pólos Petroquímicos em São Paulo (Cubatão) e na Bahia (Camaçari);
– Investimentos na prospecção de petróleo no fundo do mar que redundaram na descoberta da bacia de Campos em 1976;
– Construção do Porto de Itaquí e do terminal de minério da Ponta da Madeira, na Ilha de S. Luís, no Maranhão;
– Construção dos maiores estádios, ginásios, conjuntos aquáticos e complexos desportivos em diversas cidades e universidades do país; 

  
              Presidente Ernesto Geisel
              15/03/1974 a 15/03/1979


– Promulgação do ‘Estatuto da Terra’, com o início da Reforma Agrária pacífica;
– Polícia Federal;
– Código Tributário Nacional;
– Código de Mineração;
– Implantação e desenvolvimento da Zona Franca de Manaus;
– IBDF – Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Florestal;
– Conselho Nacional de Poluição Ambiental;
– Reforma do TCU;
– Estatuto do Magistério Superior;
– INDA – Instituto de Desenvolvimento Agrário;
– Criação do Banco Central (DEZ 64);
– SFH – Sistema Financeiro de Habitação;
– BNH – Banco Nacional de Habitação; (***)

– Construção de 4 milhões de moradias;
– Regulamentação do 13º salário;
– Banco da Amazônia;
– SUDAM;
– Reforma Administrativa, Agrária, Bancária, Eleitoral, Habitacional, Política e Universitária;
– Ferrovia da soja;
– Rede Ferroviária ampliada de 3 mil e remodelada para 11 mil Km;

  
 Pres João Baptista de Oliveira 
 Figueiredo – 
15/03/1979 a 15/03/1985

– Frota mercante de 1 para 4 milhões de TDW;
– Corredores de exportações de Vitória, Santos, Paranaguá e Rio Grande;
– Matrículas do ensino superior de 100 mil em 1964 para 1,3 milhões em 1981;
– Mais de 10 milhões de estudantes nas escolas (que eram realmente escolas);
– Estabelecimentos de assistência médico sanitária de 6 para 28 mil;
– Crédito Educativo;
– Projeto RONDON;
– MOBRAL;
– Abertura da Transamazônica com instalação de agrovilas;
– Asfaltamento da rodovia Belém-Brasília;
– Construção da usina hidrelétrica de Boa Esperança, no Rio Parnaíba;
– Construção da Ferrovia do Aço (de Belo Horizonte a Volta Redonda);
– Construção da Ponte Rio-Niterói;
– Construção da rodovia Rio-Santos (BR 101); 

 
 
 
 

 

 

Faça o seu comentário