Melhorar a qualidade de vida dos agricultores, promovendo a inclusão produtiva e um maior acesso aos mercados, com incremento na renda familiar. Esse é o objetivo do projeto Agroecologia e produção orgânica – conhecimentos e tecnologias para sistemas produtivos mais sustentáveis, desenvolvido pela Embrapa Agrobiologia com o financiamento do Sebrae. Nesta terça-feira, 19 de fevereiro, foi realizada a primeira reunião do projeto com técnicos de extensão rural e consultores do Sebrae, na Fazendinha Agroecológica Km 47, em Seropédica, RJ, após o oferecimento de um primeiro módulo de capacitação em formato EAD sobre manejo agroecológico do solo. “Nossa intenção é buscar a parceria dos órgãos que têm uma capilaridade para multiplicar a adoção das tecnologias junto aos agricultores”, explica o analista Ernani Jardim, da Embrapa Agrobiologia.

Estiveram presentes cerca de 50 pessoas, entre técnicos da Emater-Rio, da Associação AS-PTA – Agricultura Familiar e Agroecologia (AS-PTA), facilitadores da Associação de Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro (Abio) e consultores do Sebrae. Foram representados vários municípios fluminenses, como Barra do Piraí, Bom Jardim, Macaé, Magé, Pinheiral, Saquarema e São José do Vale do Rio Preto, além de Seropédica e da capital Rio de Janeiro, entre outros. A intenção do encontro foi discutir o formato das capacitações, definir as temáticas para os próximos módulos – tendo em vista a necessidade individual dos presentes em assuntos ligados à agroecologia e produção orgânica – e também discutir como e onde podem ser implantadas Unidades de Referência Tecnológica (URTs), considerando os temas mais demandados pelos agricultores nas diversas regiões do Estado.

O pesquisador da Embrapa Agrobiologia José Antônio de Azevedo Espindola, líder do projeto, esclareceu que a intenção do Sebrae e da Embrapa – bem como da Fundação Eliseu Alves, a terceira parte do convênio de cooperação técnica firmado no ano passado – é agregar diferentes instituições para ampliar o diálogo e fazer o conhecimento chegar efetivamente à ponta, que é o produtor rural. “O Sebrae está financiando quatro projetos, de quatro Unidades da Embrapa – Agrobiologia (Seropédica, RJ), Clima Temperado (Pelotas, RS), Tabuleiros Costeiros (Aracaju, SE) e Hortaliças (Brasília, DF) –, todos voltados para pequenos produtores rurais de pequeno porte e de base empresarial, atuantes em sistemas orgânicos de produção ou em transição agroecológica”, aponta. 

“No Rio de Janeiro estamos programando a realização de cursos e eventos sobre produção vegetal e alimentos na Fazendinha ou em unidades de produção orgânica ou em transição agroecológica, contando também com o apoio da Embrapa Agroindústria de Alimentos. Vamos instalar URTs na Fazendinha ou em outras áreas produtoras e, a partir daí, faremos o monitoramento do processo de adoção das tecnologias pelos produtores e também a elaboração de publicações e vídeos técnicos voltados a eles”, informa Espindola. Como desdobramentos, ele diz que a expectativa é poder avaliar a produtividade e os impactos das tecnologias adotadas, fazer a avaliação e a validação da tecnologia junto aos agricultores e técnicos, além de verificar a viabilidade econômica e técnica de sua aplicação. 

A chefe de Transferência de Tecnologia da Embrapa Agrobiologia, Ana Cristina Garofolo, apresentou um estudo feito no ano passado com o apoio da Câmara Temática de Agricultura Orgânica, vinculada ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), sobre temas prioritários a serem trabalhados junto a agricultores orgânicos ou em transição agroecológica, e comparou esses temas com os apontados pelos participantes do encontro. A partir daí, foi elaborada uma lista preliminar de novos módulos a serem oferecidos aos técnicos e também dos temas prioritários para serem trabalhados em URTs. Dentre as possibilidades estão aproveitamento de resíduos orgânicos, redesenho de paisagens rurais, fruticultura orgânica, boas práticas de colheita e pós-colheita de hortaliças e frutas orgânicas, manejo da água em propriedades rurais e agroindústrias familiares, entre outros.

Com a conclusão do projeto, em 2020, espera-se a capacitação de mais de 1,7 mil técnicos e produtores. 

Liliane Bello -

 

Liliane Bello (01766 DRT-GO) 
Fonte: Embrapa Agrobiologia 

Faça o seu comentário