Professora Carla Maria dos Santos Hilário está desaparecida desde o último dia 8

Policiais da 56ª DP (Comendador Soares) prenderam, nesta quinta-feira, o aposentado Marco Antônio Pereira de Melo, de 57 anos. Marco Antônio é suspeito de ter matado a própria esposa, a professora Carla Maria dos Santos Hilário, 42, e esquartejado o corpo dela, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Ele ainda teria desaparecido com o material.
 
De acordo com o delegado Marcio Esteves de Jesus, titular da 56ª DP, o pedido de prisão contra o aposentado foi feito após os policiais terem encontrado um pedaço de um tronco humano que pode ser da professora. O material foi achado ontem em um ponto às margens da Rodovia Presidente Dutra (BR-116), na altura de Queimados, ainda na Baixada.
 
“Tudo leva a crer que seja dela. A coleta do material para exame de DNA foi feita hoje e em alguns dias teremos o resultado em definitivo”, conta Esteves.
A suspeita do crime contra Marco Antônio veio à tona assim que a família da professora procurou a distrital na sexta-feira da semana passada. Na ocasião, os parentes contaram que ela não era mais vista há pelo menos quatro dias.
 
“Na quinta, ele chegou na casa da família dela, com uma caixa de roupas e uma mala, perguntando por ela. Ele disse que os dois haviam brigado na segunda e que ela tinha fugido de casa”, afirma o delegado.
 
Ainda segundo Esteves, os familiares desconfiaram da história e pediram para que o aposentado registrasse o desaparecimento da mulher, o que não foi feito.
 
A partir do depoimento da família, a 56ª DP chamou o homem para prestar depoimento, que foi dado no sábado, por cerca de sete horas.
 
“Ele foi muito contraditório. Disse que foi buscar a esposa no trabalho na terça e quando chegaram em casa, brigaram. Os dois teriam ido dormir e na manhã do dia seguinte, ela já não estaria mais em casa”, o delegado afirma .
 
O celular da professora foi encontrado com Marco Antônio, que alegou estar com o aparelho porque a esposa teria o atirado contra ele na discussão. O carro da mulher, um Ford Ka branco, que estava na residência do casal, no bairro no bairro K11, também foi estava com o aposentado.
 
Durante uma perícia no veículo, os policiais encontraram manchas de sangue humano espalhados em diversas partes, o que reforçou a suspeita sobre o aposentado.
“Começamos a ouvir várias testemunhas, que afirmaram que ele constantemente ameaçava a esposa, dizendo que ele era muito problemático”, Esteves acrescenta.
O delegado conta ainda que o aposentado tem diversas passagens pela polícia por agressão e ameaça contra a esposa. Os dois estavam juntos por cerca de seis anos e têm duas filhas, uma de 4 e outra de 13 anos. Com a prisão do pai, elas estão com família da mãe.
 
Apesar de negar o crime, Marco Antônio foi autuado pelo crime de feminicídio e ocultação de cadáver. Por causa da morte da mulher, ele ficou conhecido como o “Monstro do K11” por moradores da região. 
“Ele sempre nega tudo, de forma muito fria. A gente acredita que ele cometeu o crime porque ficou sabendo que a mulher iria se separar dele e achar que não encontraríamos o corpo dela, e que a impunidade iria prevalecer”, finaliza o delegado.
 
O DIA
 
 

Faça o seu comentário