Estudo da Firjan foi entregue ao presidente Jair Bolsonaro por 36 empresários nesta quinta-feira. Apelo por recursos federais é urgente para a retomada do desenvolvimento socioeconômico do estado

 Rio, 28 de novembro de 2019

Empresários da Firjan entregaram ao presidente Jair Bolsonaro, na tarde desta quinta-feira (28/11), em Brasília, estudo que destaca a necessidade de R$ 40,4 bilhões em investimentos em infraestrutura, para que o estado do Rio de Janeiro retome uma rota de desenvolvimento socioeconômico. Pela manhã, os 36 industriais de todo o estado se encontraram com parlamentares, para os quais apresentaram lista de pleitos específicos de suas regiões.

O documento “Mais Rio, mais Brasil” — que aponta as áreas de saneamento, educação, habitação, mobilidade urbana e segurança pública como prioritárias para o estado — foi recebido por Bolsonaro e pelo secretário especial de Fazenda, Waldery Rodrigues Junior, no Palácio do Planalto.

“O Rio de Janeiro precisa melhorar sua infraestrutura para que seu ambiente de negócios volte a ser mais atraente para investidores. Assim, teremos mais emprego e renda para os fluminenses. O bem-estar da população está atrelado também ao desenvolvimento do estado. O governo federal precisa participar dessa retomada”, afirmou o presidente da Firjan, Eduardo Eugenio Gouvêa Vieira, integrante do grupo que se encontrou com Bolsonaro.

O estudo considera um horizonte de 2019 a 2026 para os seguintes investimentos: universalização do saneamento básico em toda a Região Metropolitana (R$ 15,1 bilhões); extensão da Linha 2 do Metrô (Estácio-Praça XV), criação da Linha 3 (Niterói-São Gonçalo), finalização da estação da Gávea e ampliação da Linha Vermelha e da Via Light (R$ 11,4 bilhões); abertura de 213 mil vagas em creche e pré-escola (R$ 1,8 bilhão); criação de 114 mil habitações (R$ 10,9 bilhões); e abertura de 14 mil vagas em quatro novas unidades prisionais (R$ 1,2 bilhão).

“A Baixada Fluminense vive um período, como o estado do Rio de um modo geral, muito difícil. Falta infraestrutura e segurança. O Arco Metropolitano, que foi uma conquista da Firjan e da sociedade de um modo geral, está completamente abandonado. É preciso que as autoridades federais, estaduais e municipais se unam para salvar o Rio. A Firjan hoje se propõe a fazer a ponte entre os governantes. Tivemos um grande prejuízo com a mudança da capital para Brasília e ficamos sem compensação”, analisou o empresário Carlos Erane de Aguiar, presidente da Firjan Nova Iguaçu e Região.

A Firjan ressalta que, como o estado precisa cumprir as medidas do Regime de Recuperação Fiscal, a previsão é que o total de investimentos do governo estadual alcance R$ 18,5 bilhões numa projeção até 2026, volume bem abaixo do necessário. Logo, é fundamental investimento direto do governo federal no Rio. O estudo calcula serem necessários R$ 22 bilhões de aporte da União no estado.

Para que a Baixada esteja ainda mais consolidada dentro da economia fluminense e brasileira, muitos desafios precisam ser enfrentados e vencidos. O empresariado fluminense, através da Firjan, apresentou propostas a serem implementadas para garantir que a expectativa de desenvolvimento se torne realidade. Um dos exemplos é a concessão do Arco Metropolitano, que se encontra abandonada, sem manutenção de infraestrutura e com nenhuma ação direcionada ao policiamento e fiscalização, cenário este que vem favorecendo o roubo de cargas e a ocupação irregular no seu entorno, que possui vocação essencialmente industrial. Na segurança pública, o pleito é a redução do roubo de carga. O Rio de Janeiro é o estado com maior índice de roubo de carga do país. Apesar da recente melhora dos indicadores, um caminhão é roubado por hora no Rio de Janeiro. E, por fim, melhorias de Saneamento básico: no Rio de Janeiro apenas 68% do esgoto é coletado e somente 36% é tratado.

Os empresários também se encontraram com o senador Arolde Oliveira e os deputados federais da bancada fluminense Christino Áureo (PP), Gurgel (PSL) e Vinicius Farah (MDB). Líderes empresariais de todas as regiões fluminenses apresentaram aos parlamentares os pleitos prioritários para acelerar o desenvolvimento de seus municípios. Arolde afirmou que vai apresentar as questões apontadas pelos empresários para os ministérios da Infraestrutura e de Minas e Energia. Gurgel manifestou apoio às reivindicações e se colocou como defensor da redução de impostos. Já Farah destacou a importância da Firjan na nova política, com atuação que encurta os caminhos do desenvolvimento.

Estudo “Mais Rio, mais Brasil”

 

Fonte: FIRJAN