O evento teve inicio na manhã desta quinta-feira (13), com passeio ciclístico solidário dentro do Campus da UFRRJ em Seropédica. Às 13:30 teve início as Palestras no Auditório do CAIC Paulo Dacorso Filho com o Tema “Equoterapia, Deficiência, Escolarização”.

O palestrante Luiz Felipe apresentou o Tema a “Deficiência Visual e a Escolarização”, onde relatou as dificuldades da escolarização de pessoas portadoras de deficiência visual, mudanças na lei e atividades pedagógicas para atender esses alunos.

O Palestrante Lucio Lugão Macedo falou sobre o Tema “Surdo e Escolarização”, onde relatou sobre o percurso histórico da escolarização do surdo ao longo dos anos, abordando como foi o surgimento do modelo educacional que permitiu que os sujeitos surdos fossem considerados aptos a aprender, pois ao longo da história foram vistos como incapazes de realizar atividades consideradas normais devido a deficiência.

O Palestrante Roberto Mendes falou sobre o Tema “Autismo e a Escolarização”, relatando sua dificuldade para memorizar, mas pelo seu esforço conseguiu se formar em Neuropsicologia onde trabalha com reabilitação e acompanhamento neuropsicológico. Roberto fala que o autista precisa estar junto com outras pessoas para ajudar no seu aprendizado. “A dificuldade na linguagem, um jeito mais calado e quieto de ser, os gostos peculiares, a preferência por locais silenciosos e fobia à aglomeração de pessoas. Todas ou algumas dessas características fazem parte do dia a dia de pessoas que têm o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Não se trata de uma doença mental, mas de uma condição do desenvolvimento neurológico, com causas desconhecidas, mas associadas a questões genéticas, bem como a outros fatores, como prematuridade, baixo peso ao nascer e mesmo o aumento da idade dos pais ao conceberem o filho”.

O Centro de Formação Interdisciplinar de Equoterapia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) surgiu em 2013, no cotidiano do professor Dr. José Ricardo da Silva Ramos, professor de Ensino de Educação Física e Psicomotricidade da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (a UFRRJ). O Dr. Jose Ricardo disse: “Participando das atividades inclusivas com as turmas de Ensino de Educação Física e do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (o PIBID) percebi um aluno pré-adolescente com traços de autismo, nas aulas de educação física. O fazer pedagógico com um aluno isolado, que não gostava da interação entre os colegas e os bolsistas do PIBID (os pidianos) e que muito pouco falava fez com que o professor e o grupo alunos e de pibidianos, naquela ocasião, buscasse outras práticas alternativas que compusessem um trabalho significativo para ele e outros sujeitos autistas dentro do contexto escolar que faço parte”. Destaca.

 “O Centro de Formação Interdisciplinar de Equoterapia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) fez sete anos de existência este ano. Nesses sete anos de vivência Equoterápica, atendemos mais de 150 crianças e jovens com deficiências, superdotados e com o Transtorno do Espectro Autista (TEA). Hoje a Equoterapia da UFRRJ funciona como um setor e está O Centro de Formação Interdisciplinar de Equoterapia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) diretamente O Centro de Formação Interdisciplinar de Equoterapia da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ) à Coordenadoria especial de produção integrada ao ensino, pesquisa e extensão”. Comemora Dr. José Ricardo.

Estiveram presentes também, representando a Prefeitura de Seropédica, a Diretora de Ensino, Laura Ferreira dos Santos Freire, o Subsecretário de Comunicação Turismo e Eventos, Samuel Barbosa, a Coordenadora de Educação Fernanda Cabral, e o Coordenador Pedagógico de Educação Especial, Prof. Allan Filipe Lima de Sousa.

 

Faça o seu comentário