Diversidade vegetal alimenta pesquisas científicas

Tamareiras, amoreiras, flamboyants, cafeeiros e jambeiros. Se você frequenta o câmpus Seropédica, já cruzou com alguma dessas árvores por aí. Plantadas nos jardins e no entorno dos prédios, mais de três dezenas de espécies das plantas pertencentes ao grupo das angiospermas colorem a imensa área verde da Universidade com suas flores e seus frutos.

“Estamos no câmpus todo dia e não conhecemos as plantas que estão aqui e o valor que
elas representam”, comenta Verônica Moura, professora do Departamento de Botânica
da UFRRJ. “As flores e os frutos são estruturas morfológicas que auxiliam na identificação
da planta. É importante esse conhecimento para correta utilização medicinal, por exemplo.

Também é uma maneira de contribuir para a preservação das espécies”, explica a docente.
Laboratório ao ar livre. Estas plantas são um grande laboratório vivo para os ruralinos. Amplia-se o espaço de estudo dos estudantes de Agronomia, Ciências Biológicas, Engenharia Florestal e Ciências Agrícolas (Lica), que já no primeiro período têm aulas ao ar
livre e contato direto com a flora do local. “O câmpus e a própria estrutura da Universidade
favorecem ao professor passar o conhecimento e aos alunos transmitirem o que eles trazem de casa”, diz Verônica.

O perfil cada vez mais diversificado dos ingressantes potencializa a experiência. Os jovens
vindos de todo o país para estudar na UFRRJ compartilham o conhecimento popular de suas regiões sobre os frutos. “Eu tive um aluno que veio da região amazônica e tinha várias informações que ele trouxe e que eu não sabia”, exemplifica a docente.

Jardim Botânico mapeado

A professora Verônica Moura realizou, junto com a pesquisadora Bianca F. da Silva, um
levantamento das espécies encontradas no Jardim Botânico por meio da morfologia dos frutos. Foram dois anos de observações no campo. O resultado da pesquisa está disponível no livro Frutos do Jardim Botânico da UFRRJ, publicado em 2013 pela Editora da Universidade Rural (Edur). “O trabalho é importante para atender à comunidade universitária e ao público em geral que solicitam informações sobre frutos. O levantamento de todos os frutos do câmpus ainda está em andamento”, conta Verônica.

Na publicação são apresentadas quarenta espécies arbóreas com informações sobre seus
nomes populares, locais de origem, características morfológicas dos frutos e das sementes
e localização dentro da área do Jardim Botânico, além de informações sobre os usos de cada uma. Entre os frutos presentes no local, existem aqueles que servem de alimento para fauna, os que são comestíveis para o homem, os que são utilizados na confecção de artesanato e os que são empregados na medicina popular.

As plantas que produzem flores e frutos pertencem ao grupo das angiospermas. A professora Veronica Moura explica que o fruto representa a parte feminina da flor desenvolvida após a polinização. Algumas vezes, as sépalas e as pétalas podem fazer parte desse fruto para auxiliar na dispersão das sementes.

A principal função dos frutos é a proteção das sementes e a perpetuação das espécies. Podem variar quanto ao número de sementes, ao tipo de abertura para a dispersão das sementes e à consistência da parede do fruto, nesse caso classificados em carnosos ou secos.

Visite o Jardim Botânico da UFRRJ
Aberto ao público em geral de segunda a sexta-feira, das 8 às 17 horas. Mediante agendamento por telefone ou e-mail, acontecem atividades como visitas guiadas e trilhas para grupos.
Contato: (21) 3787-4028
[email protected]

Fonte: Rural Semanal 01/2019

Faça o seu comentário