Homem que tentou roubar vestido de policial militar também se passava por policial federal para roubar residências. Criminosos foram descobertos por causa do uso de barba, de armas e por erro de português em viatura.

Polícia Civil do Rio identificou um dos suspeitos vestir uma farda semelhante a de policiais militares para tentar roubar um depósito de mercadorias das Lojas Americanas, em Seropédica, na Baixada Fluminense, na madrugada de domingo (15).

De acordo com o delegado Mauro César, titular da 48ª DP (Seropédica) o homem identificado como Natã Isaque Souza dos Santos também teria participado de uma série de roubos em residências de luxo da Zona Sul do Rio em fevereiro. Desta vez, o disfarce era de policial federal.

“A gente bateu com outros crimes com o mesmo modus operandi e ele foi reconhecido”, explicou o delegado.

Mauro César afirmou que o suspeito já tem mandados de prisão expedidos por outros crimes e agora está sendo enquadrado por tentativa de roubo e de homicídio. Atualmente, Natã Isaque é considerado foragido.

Entenda o caso
Criminosos se passaram por policiais militares na tentativa de roubo de um depósito de mercadorias das Lojas Americanas em Seropédica. Fardados como agentes do Batalhão de Policiamento em Vias Expressas (BVPE), dois homens armados com fuzis tentara entrar no local.

Os seguranças desconfiaram e acionaram os PMs do 24º Batalhão (Queimados). Os bandidos dispararam contra o portão e fugiram antes da chegada dos policiais verdadeiros.

Alguns detalhes entregaram os falsos PMs como o uso de barba por Natã e o armamento usado por eles, que não era o mesmo dos policiais.

A falsa viatura usada pelos criminosos ainda contava com um erro de português: em vez de “vias expressas”, a inscrição faltava um S. E estava escrito “via expressa”.

 

Localização do depósito alvo dos bandidos (Foto: Arte/G1)

Barba é transgressão

Segundo o Decreto 6.579/83, que aprova o Regulamento Disciplinar da PM, barba é um dos 125 itens da lista de “transgressões” da corporação. Bigode, desde que aparado, é permitido nas Forças Armadas.