Foi realizado neste domingo (17), na Comunidade Imaculada Conceição e Frei Galvão, da Paróquia Maria Mãe da Igreja em Seropédica, Celebração da Palavra, pelo Seminarista Igor Araujo dos Santos, que é morador do Bairro Campo Lindo. Igor é mais um dos jovens moradores de Seropédica que atendeu o chamado para ser Sacerdote e vai dedicar oito anos de sua vida para estudar Filosofia (quatro anos) e Teologia (mais quatro anos).

Em sua pregação Igor fala sobre o Evangelho de Jesus Cristo segundo Lucas:  Naquele tempo, Jesus entrou num povoado e certa mulher, de nome Marta, recebeu-o em sua casa. Sua irmã, chamada Maria, sentou-se aos pés do Senhor e escutava sua palavra. Marta, porém, estava ocupada com muitos afazeres. Ela aproximou-se e disse: “Senhor, não te importas que minha irmã me deixe sozinha, com todo o serviço? Manda que ela me venha ajudar!” O Senhor, porém, lhe respondeu: “Marta, Marta! Tu te preocupas e andas agitada por muitas coisas. Porém, uma só coisa é necessária. Maria escolheu a melhor parte e esta não lhe será tirada”

No fundo, trata-se de uma escolha que se faz. E nossa vida é toda ela feita de escolhas… Neste Evangelho, duas irmãs, Marta e Maria, fazem suas escolhas: cuidar das tarefas caseiras ou ficar aos pés de Jesus. Não que as duas opções sejam radicalmente exclusivas, mas a diligente Marta sente motivos para reclamar de Maria, que escolheu diferente. Vale a pena refletir nas palavras sobre esta passagem. “A certa profundidade, temos o direito de escolher o amor, sem condições, e deixar qualquer outra coisa para dedicar-se a ele em definitivo, pois esta é a parte que jamais nos será tirada, que dura para a eternidade. A certa profundidade, o Amor se torna gratuito. E em todo lugar onde Jesus percebe essa gratuidade, ele se faz o seu defensor. É o caso do alabastro da outra Maria e dos perfumes derramados em perda total sobre os pés de Jesus, e cujo altíssimo preço parece roubado aos pobres. Mas os pobres têm mais necessidade de amor do que de dinheiro. E o amor não tem preço. Aos pés de Jesus, Maria desocupada, inútil, injusta com sua irmã mais velha. Mas não existe nada mais urgente que o amor, nem mais eficaz. Se eu não tenho o amor, nada tenho, dirá São Paulo, ainda que eu distribua todos os meus bens aos pobres, ainda que eu me gaste pelos outros, mesmo que eu entregue meu corpo às chamas. Mais urgente, mais eficiente é assumir o tempo de amar.”

Lá no fundo, ouço queixas. São os eficientes, os utilitaristas, os práticos, aqueles que carregam nas costas o peso do mundo, como se fossem indispensáveis para Deus. E Deus não quer o sacrifício, mas a misericórdia. E onde encontraremos a fonte da misericórdia se não tivermos tempo para Deus? Não só na Igreja, não só na família, mas em todos os campos da vida humana multiplicam-se os “ativistas” – aqueles que apostam apenas na própria ação, muitas vezes atropelando os outros, assumindo práticas violentas, incapazes da refletir, incapazes de ouvir, incapazes de… rezar… Ora, quando Jesus chegar, vale a pena parar e sentar-se aos seus pés.

DSC_0001 DSC_0002 DSC_0007 DSC_0009 DSC_0010 DSC_0011 DSC_0013 DSC_0014 DSC_0016 DSC_0017 DSC_0018 DSC_0019 DSC_0020 DSC_0021 DSC_0022 DSC_0023 DSC_0024 DSC_0027 DSC_0028 DSC_0030 DSC_0031DSC_0001