As obras de construção do Arco Metropolitano já entram em reta final e, na manhã do dia  (23), foi realizada detonação de rochas de um morro localizado às margens da Via Dutra – entre os quilômetros 205,5 e 208, na altura do município de Seropédica -, com o objetivo de construir uma pista paralela que dará acesso do Arco à Dutra, no sentido Rio. A intervenção é necessária para a complementação do trevo de interseção do Arco com a Via Dutra (BR-116).

Estima-se que essa estrutura urbana, fundamental para desafogar o tráfego na região, reduza em até 20% o custo do transporte de produtos dentro do Estado do Rio, além de facilitar o acesso das cargas ao Porto de Itaguaí, na Baixada Fluminense.

Os benefícios consolidam o Arco como um grande indutor de investimentos, garantindo o interesse dessas companhias no estado e atraindo outras. Estimativa da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Energia e Serviços dá conta de que os investimentos de empresas em municípios e distritos da Região Metropolitana somam cerca de R$ 70 bilhões.

Para detonar todo o material rochoso, que possui cerca de cinco mil metros cúbicos, serão utilizados, aproximadamente, três mil quilos de explosivos. O processo de demolição foi dividido em duas partes: uma foi realizada hoje, e a outra ocorrerá no próximo domingo, dia 30. Por conta da primeira etapa da intervenção, trechos da Via Dutra nos dois sentidos foram interditados neste domingo, a fim de garantir a segurança dos motoristas e passageiros que trafegam pela região, e também para realizar a limpeza da pista no sentido Rio de Janeiro.

– O Arco Metropolitano vai ajudar a desafogar o trânsito, especialmente o tráfego pesado de caminhões que vêm da Baixada Fluminense e não vão precisar passar pela Avenida Brasil ou pela Linha Vermelha – disse Célio Araújo, gerente de engenharia da OAS, uma das construtoras que integra o consórcio responsável pela construção do Arco.

O Arco Metropolitano é a obra viária estrategicamente mais importante das últimas décadas no Estado do Rio, pois interligará rodovias federais que cortam o território fluminense e transformará a Baixada Fluminense em um corredor logístico. Construído pela Secretaria de Obras, o projeto é realizado em parceria com o governo federal, incluído no PAC (Programa de Aceleração do Crescimento).

Dos 145 quilômetros do Arco, entre Itaboraí e Itaguaí, ficou sob a responsabilidade do Governo do Estado a construção do chamado trecho virgem, de 71,2 quilômetros, que liga Duque de Caxias a Itaguaí, atravessando Nova Iguaçu, Japeri e Seropédica. Este segmento da obra vai do entroncamento da BR-040 (Rio-Juiz de Fora), em Caxias, ao acesso ao Porto de Itaguaí, na BR-101 (Rio-Santos), cortando a BR-116 (Via Dutra) e a BR-465 (antiga Rio-São Paulo), ambas em Seropédica. As obras estaduais já estão com 92% do projeto executados e foram construídos 74 viadutos e pontes, 80 passagens e três passarelas entre Duque de Caxias e Itaguaí, além da realização de terraplenagem, drenagem e pavimentação.

Leia mais: http://diariodovale.uol.com.br/noticias/7,87140,Rochas-na-Via-Dutra-sao-detonadas-para-obras-do-Arco-Metropolitano.html#ixzz2wz4H4ef5