A Polícia Rodoviária Federal (PRF) registrou 1.085 mortes em estradas federais de todo o país durante os 51 dias em que ocorreu a Operação Copa do Mundo. Segundo dados divulgados nesta segunda-feira (14), ocorreram 21.256 acidentes e 11.842 pessoas ficaram feridas no período.

A operação para o Mundial começou em 23 de maio e foi encerrada à meia-noite deste domingo (13). Nesse período, houve aumento do fluxo de veículos nas rodovias federais, com maior concentrações de pessoas nas 12 cidades-sede da Copa, segundo a PRF.

“Estrangeiros, principalmente da América Latina, ingressaram no Brasil através das estradas federais, vindos, muitas vezes, em caravanas de centenas de veículos, a exemplo de chilenos, argentinos, mexicanos e argelinos”, afirmou a polícia, em nota.

Dois acidentes envolveram estrangeiros. Um deles aconteceu na Fernão Dias, em Minas, quando um carro com três argentinos saiu da pista após ser atingido na traseira. O veículo capotou deixando um morto e dois feridos. Duas pessoas que estavam no outro carro foram detidas por terem fugido do local.

Dois turistas belgas também se envolveram em uma batida na BR-020, próximo ao município de Posse, no nordeste de Goiás. Segundo a polícia, os dois turistas e outras três pessoas que estavam no outro veículo ficaram feridas e uma pessoa morreu.

Na comparação com o mesmo período do ano passado – quando foi realizada parte da Copa das Confederações – o número de acidentes caiu 22,8%, as mortes caíram 11,4% e o número de feridos diminuiu 20,2%.

A polícia também fez 176 mil testes do bafômetro, o que resultou em 1.022 motoristas presos durante a Copa. Isso corresponde à proporção de uma prisão a cada 171 testes. Em 2013, esse índice era de uma prisão a cada 131 testes.

2

Faça o seu comentário