Começa nesta quinta-feira, 25/07, a Festa do Milho, na aldeia Araponga em Paraty. É a grande celebração dos Índios Guaranis, presentes na região. As celebrações acontecem até o dia 28/07, domingo. No entanto, nem tudo é alegria. Graves problemas vêm ocorrendo, justo na época das datas sagradas para os Guaranis.

No início do governo do Bolsonaro, houve a tentativa de municipalização da saúde indígena, com a extinção da Sesai – Secretária Especial de Saúde Indígena. Ocorreu uma grande mobilização, inclusive o ATL (Acampamento Terra Livre), e um recuo governamental. No entanto, lideranças dos povos originários veem reclamando de cortes de recursos.

“No caso de várias aldeias, poderia acontecer a extinção de agentes de saúde, que são das comunidades, como motoristas que levam pessoas para hospitais em caso de emergência”, conta o Vice Cacique Nino Benite, filho do cacique Domingos, que tem 99 anos.

Em Brasília, lideranças indígenas de todo o país, inclusive as de Paraty, debatem com o governo esta questão. Nessas negociações ficou acordado a manutenção dos motoristas nas aldeias.

Contudo, houve uma recente reviravolta. O Vice Cacique Nino estava voltando da Capital Federal para Paraty quando ficou sabendo que o coordenador nacional de saúde indígena vai ser demitido por Bolsonaro. Ele informou que retornará ao Distrito Federal e nesta quinta-feira chega ao Rio para a Festa do Milho.

Fonte: Diário do Rio