Uma missão arqueológica egípcia descobriu sete tumbas de diferentes épocas faraônicas no Complexo de Saqqara, com dezenas estátuas de madeira e múmias de gatos, anunciou o Ministério de Antiguidades. As tumbas são da época do Império Novo (entre os séculos 16 e 11 a.C.) e em três delas foram encontradas múmias de gatos, que representam a deusa Bastet, do antigo Egito, afirmou o ministro Khaled al-Anani, em comunicado.

Segundo o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades, Mustafa Waziri, “pela primeira vez” foram achados escaravelhos mumificados nessa região, assim como múmias de gatos e 100 estátuas de madeira de felinos e algumas que representam cobras e crocodilos. O lugar era um cemitério de animais.

Os arqueólogos egípcios também encontraram em um dos mausoléus uma tumba do supervisor dos edifícios reais do fim da quinta dinastia de faraós (2.400 a.C), identificado como Kofo en Hat. O ministro ressaltou que a descoberta é uma das três que serão anunciadas até o fim do ano.

O Egito vem trabalhando na descoberta e no anúncio de novos túmulos na tentativa de atrair mais turistas já que, após os protestos de 2011 e a queda do presidente Mohamed Morsi em 2013, o número de visitantes caiu significativamente.

Esfinge

Em setembro, arqueólogos descobriram, na cidade de Aswan, no Oeste do Egito, uma esfinge de arenito, que remonta ao período de 305 e 30 a.C. A descoberta foi confirmada pelo Ministério de Antiguidades do Egito. Porém, a idade da peça é apenas estimada. A escultura do ser mitológico da cabeça humana e do corpo de leão será cuidadosamente estudada pela missão arqueológica para obter mais informações sobre sua origem.

Os especialistas identificaram a escultura enquanto faziam um projeto para reduzir as águas subterrâneas no Templo Kom Ombo. O secretário geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Mostafa Waziri, disse que a peça provavelmente data da época da dinastia de Ptolomeus, que governou de 305 e 30 a.C. Waziri explicou que no local onde a esfinge foi encontrada há dois relevos de arenito do rei Ptolomeu V.

Ajuda

O Ministério de Relações Exteriores do Egito ofereceu apoio técnico ao Brasil para recuperação do acervo do Museu Nacional do Rio de Janeiro, quase totalmente destruído por um incêndio. O governo egípcio ainda pediu às autoridades brasileiras informações sobre o estado das peças arqueológicas egípcias que faziam parte da coleção do museu.

De acordo com as informações do Ministério de Relações Exteriores, em um comunicado, a pedido do Ministério de Antiguidades egípcio, o contato foi feito por meio da Embaixada do Egito em Brasília para que esclareça em que estado se encontram as peças procedentes do país.

Além disso, o Egito expressou sua disposição de proporcionar ao Brasil, por meio do Departamento de Antiguidades, “a experiência técnica no âmbito de proteção do patrimônio e restauração de todo tipo de peças arqueológicas” de todas as épocas.

 

 

As tumbas são da época do Império Novo (entre os séculos 16 e 11 a.C.) e em três delas foram encontradas múmias de gatos, que representam a deusa Bastet, do antigo Egito. (Foto: Reprodução) Fonte: Agência Brasil

Faça o seu comentário