México descobre que ossos que pensava serem de 2012 crimes eram do ano 900

0
142

Em 2012, as autoridades de Chiapas, no estado meridional do México, entraram numa caverna escura e depararam-se com uma visão dantesca: cerca de 150 caveiras espalhadas pelo chão, todas com dentes em falta e alguns ossos esmagados.

Pensando ser a cena de um crime envolvendo migrantes mortos perto da fronteira com a Guatemala, onde a violência dos bandos é comum, a polícia abriu uma investigação. Foi de fato a cena de um crime. Mas não a partir de um crime recente.

Na semana passada, dez anos após a descoberta, as autoridades anunciaram que tinham determinado os crânios para serem vítimas de homicídios de sacrificios cometidos entre 900 e 1.200 d.C.

“Já reunimos muita informação”, disse um arqueólogo que analisou os ossos, Javier Montes de Paz, falando numa conferência de imprensa a 11 de Abril. “Mas é importante perguntar: o que estavam aqueles crânios a fazer naquela caverna”.

Os investigadores do Instituto Nacional de Antropologia e História analisaram marcas nos ossos e determinaram que as mortes ocorreram há séculos atrás. Estas marcas só apareceriam após “muito, muito tempo”, disse Montes de Paz.

Os investigadores descobriram que as vítimas tinham sido decapitadas, que a maioria dos ossos eram de mulheres, e que todos eles tinham dentes faltando, embora não seja claro se foram extraídos durante a vida ou após a morte das vítimas, disse o arqueólogo.

Os investigadores também encontraram restos esqueléticos de três crianças pequenas.

A pilha de ossos pré-hispânicos na caverna de Comalapa era provavelmente um “tzompantli” – um altar, feito para a adoração de deuses, que teria parecido um moderno stand de troféus desportivos, com caveiras colocadas em postes de madeira encordoados. Segundo a revista Smithsonian, práticas semelhantes eram comuns entre os maias, astecas, e outras civilizações mesoamericanas.

De acordo com Montes de Paz, o material de madeira “decompõe-se com o tempo e pode ter causado a queda dos crânios ao chão”.

Os investigadores também encontraram paus de madeira forrando a caverna – outro sinal de um “tzompantli”, segundo uma declaração do Instituto Nacional de Antropologia e História.

Os investigadores ainda não concluíram os seus estudos, mas de acordo com Montes de Paz, é muito provável que a caverna tenha sido utilizada por várias comunidades mesoamericanas. As suas duas entradas são tão íngremes que os cientistas tiveram de usar uma escada para entrar.

Não é claro como é que os crânios foram descobertos há uma década, ou por quem. As autoridades disseram que uma denúncia os alertou para a descoberta feita na cidade de Carrizal, no município de Frontera Comalapa.

Os antropólogos que estudaram os crânios identificaram outros fragmentos ósseos na caverna, incluindo um fémur e pedaços de armas. Mas não foram encontrados restos intactos.

A invasão espanhola teve lugar por volta de 1500. Segundo a revista Smithsonian Magazine, quando os espanhóis chegaram, tinham medo dos rituais.

Mas os sacrifícios parecem ter sido comuns em Chiapas. O Instituto Nacional de Antropologia e História revelou que nos anos 80 os antropólogos exploraram a caverna Cueva de las Banquetas e encontraram 124 crânios desdentados. Em 1993, exploradores mexicanos e franceses em Ocozocoautla foram a outra caverna, a Cueva Tapesco del Diablo, que continha cinco crânios.

O arqueólogo disse que a sua equipa está ansiosa por explorar mais extensivamente a caverna de Comalapa.

Ele recomendou que se as pessoas forem a lugares como estes no futuro e se depararem com crânios, não toquem em nada, pois isto poderia afectar a integridade arqueológica do local. Segundo ele, as pessoas que encontraram os crânios em Chiapas em 2012 tocaram acidentalmente em alguns dos ossos. “Você afeta a história”, explicou ele. “E perde-se muita informação”.

Mesmo assim, ele acredita que, após uma análise mais aprofundada, em breve será possível contar a história completa dos crânios.

Fonte: News Bulletin 247