”Corpus Christi significa Corpo de Cristo. É uma festa religiosa da Igreja Católica que tem por objetivo celebrar o mistério da Eucaristia, o sacramento do corpo e do sangue de Jesus Cristo”
As três principais Paroquias das Igrejas Católicas de Seropédica, (Paroquia Maria Mãe da Igreja, Paroquia Santa Teresinha e Paroquia Nossa Senhora das Graças) Celebraram o Mistério da Eucaristia, com Procissão e Missas. Este ano a Paroquia Maria Mãe da Igreja resolveu não fazer os tapetes Eucarísticos, em vez disso, foi feito uma campanha, onde foi arrecadado dinheiro para compra de tecidos, para confecção de lençóis, que serão doados aos Postos de Saúde do Município.
O Padre Jefferson Silva Oliveira, Pároco da Paroquia Maria Mãe da Igreja disse na homilia: “Com muita alegria, celebramos hoje o grande mistério de nossa fé. O Senhor está no meio de nós, vivo, presente, sobretudo, no Sacramento da Eucaristia, por meio da qual o próprio Senhor se dá a nós como nosso alimento, como refeição para nossa vida em Deus, Porque, na verdade, a última refeição de Jesus, antes da Sua morte, tem uma riqueza de significados e uma relevância muito grandes. Os próprios apóstolos que dela participaram, num primeiro momento, não puderam compreender ou abraçar toda a riqueza ali celebrada. A Páscoa do Senhor começa na Eucaristia e se estende até sua morte e depois se prolonga na sua ressurreição. E há uma grandeza nesse lindo mistério: o Cristo, que morre na cruz e ressuscita glorioso, é o mesmo Cristo a quem nós comungamos na Eucaristia”.
Logo após é formada uma procissão onde o Padre Jefferson leva o Ostensório, em adoração ao Santíssimo, e caminham pelas Ruas ao redor da Paroquia Maria Mãe da Igreja comunidade Dom Bosco, no Bairro Campo Lindo.

 

Conheça como surgiu a Festa de Corpus Christi
A Festa de Corpus Christi surgiu no séc. XIII, na Diocese de Liège, na Bélgica, por iniciativa da Freira Juliana de Mont Cornillon, (†1258) que recebia visões nas quais o próprio Jesus lhe pedia uma festa litúrgica anual em honra do sacramento da Eucaristia.
Aconteceu, porém, que quando o padre Pedro de Praga, da Boêmia, celebrou uma Missa na cripta de Santa Cristina, em Bolsena, Itália, aconteceu um milagre eucarístico: da hóstia consagrada começaram a cair gotas de sangue sobre o corporal após a consagração. Alguns dizem que isto ocorreu porque o padre teria duvidado da presença real de Cristo na Eucaristia.
O Papa Urbano IV (1262-1264), que residia em Orvieto, cidade próxima de Bolsena, onde vivia São Tomás de Aquino, informado do milagre, então, ordenou ao Bispo Giacomo que levasse as relíquias de Bolsena a Orvieto. Isso foi feito em procissão. Quando o Papa encontrou a Procissão na entrada de Orvieto, teria então pronunciado diante da relíquia eucarística as palavras: “Corpus Christi”.
Em 11 de agosto de 1264 o Papa emitiu a bula ” Transiturus de mundo “, onde prescreveu que na quinta-feira após a oitava de Pentecostes, fosse oficialmente celebrada a festa em honra do Corpo do Senhor. São Tomás de Aquino foi encarregado pelo Papa para compor o Ofício da celebração. O Papa era um arcediago de Liège e havia conhecido a Beata e percebido a luz sobrenatural que a iluminava e a sinceridade de seus apelos.
Em 1290 foi construída a belíssima Catedral de Orvieto, em pedras pretas e brancas, chamada de” Lírio das Catedrais. Antes disso, em 1247, realizou-se a primeira procissão eucarística pelas ruas de Liège, como festa diocesana, tornando-se depois uma festa litúrgica celebrada em toda a Bélgica, e depois, então, em toda o mundo no séc. XIV, quando o Papa Clemente V confirmou a Bula de Urbano IV, tornando a Festa da Eucaristia um dever canônico mundial.
Em 1317, o Papa João XXIII publicou na Constituição Clementina o dever de se levar a Eucaristia em procissão pelas vias públicas. A partir da oficialização, a Festa de Corpus Christi passou a ser celebrada todos os anos na primeira quinta-feira após o domingo da Santíssima trindade. A celebração normalmente tem início com a missa, seguida pela procissão pelas ruas da cidade, que se encerra com a bênção do Santíssimo.
A procissão pelas vias públicas, atende a uma recomendação do Código de Direito Canônico (cânone 944) que determina ao Bispo Diocesano que a providencie, onde for possível, “para testemunhar publicamente a adoração e a veneração para com a Santíssima Eucaristia, principalmente na solenidade do Corpo e Sangue de Cristo.” É recomendado que, nestas datas, a não ser por causa grave e urgente, não se ausente da diocese o bispo (cânone 395)

3 4 5 6 7 8 2 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 40 41 42 43 44 45 46 47 48 49 50 51 52 53 54 55 56 57 58 59 60 61 62 63 64 65 66 67 68 69 70 71 72 73 75 76 77 78 79 81 82 83 84 85 86 87 88 89 90 91 92 93 94 95 96 97 98 99 100 101 102 103 104 105 106 107 108 109 110 111 112 113 114 115 116 117 118 119 120 121 122 123 124 125 126 127 128 129 130 131 132 133 134 135 136 137 138 139 140 141 142 143 144 145 146 147 148 149 150 151 152 153 154 155 156 157 158 159 160 161 162 163 164 165 166 167 168 169 170 171