Embora não seja um hábito no Brasil – pesquisa recente mostrou que um terço dos brasileiros nunca foi ao oftalmologista –, visitar um especialista em olhos pelo menos uma vez ao ano é fundamental para prevenir e detectar doenças que, quando precocemente identificadas, podem ser tratadas, melhorando a qualidade de vida do paciente.

O cuidado com os olhos deve começar desde cedo, afirma o oftalmologista Luiz Molinari, da Unimed-BH. Obrigatório na rede pública de saúde, simples, rápido e indolor, o teste do olhinho, que deve ser realizado em todos os recém-nascidos, ainda na maternidade, detecta diferentes problemas, de catarata a câncer.

Logo no primeiro ano de vida, o bebê também deve ser submetido a consulta com especialista. Nesta faixa etária, um tipo de tumor maligno infantil é identificável possibilitando acompanhamento e tratamento adequados. A partir dos 10 anos, quando são comuns surgirem os erros de refração, também entra no radar a ceratocone, responsável pela maioria das indicações de transplante de córnea no Brasil. A doença modifica a estrutura da córnea, levando à perda progressiva da visão.

“Nos adultos, de modo geral, surgem patologias como glaucoma, que exige acompanhamento, além de presbiopia, a popular vista cansada. Depois dos 60, podem aparecer retinopatia diabética, em pacientes com a doença, o próprio glaucoma, catarata e degeneração macular por idade”, acrescenta o médico

Uma vez ao ano

Oftalmologista em Belo Horizonte, Mariana Fontenelle ressalta que as consultas médicas devem ser realizadas pelo menos uma vez ao ano ou com menor frequência, conforme orientação profissional. Segundo ela, além dos erros refrativos – miopia, hipermetropia e astigmatismo (saiba mais no infográfico no fim da matéria), os olhos também podem ser impactados por outras doenças como hipertensão, diabetes, infecções e até por intoxicação medicamentosa.

Fonte: Hoje em Dia

Faça o seu comentário