Alerta: quatro doenças ameaçam a saúde nas Américas; veja quais

0
27

Segundo a diretora da Organização Pan-Americana da Saúde (Opas), Carissa Etienne, há quatro emergências sanitárias que ameaçam a região das Américas (Norte, Sul e Central), são elas: a cólera, a varíola dos macacos, a covid-19 e a poliomielite. 

“Nossa região está sob pressão”, disse a diretora durante coletiva virtual. “Há quatro emergências de saúde que ameaçam nossa região. Emergências sanitárias paralelas e ambientes sociais, políticos e naturais frágeis ilustram a importância de investir e fortalecer os sistemas de saúde.” 

Mão organizando e empilhando blocos de madeira com ícones de assistência médica e plano de saúde; conceito de saúde.
Imagem: Monster Ztudio/Shutterstock

Cólera no Haiti 

De acordo com informações da Agência Brasil, depois de mais de três anos, o Haiti relatou, na semana passada, um surto de cólera justamente quando estava prestes a ser declarado livre da doença. Até o último domingo (9), o país havia confirmado 32 casos e 18 mortes, além de 260 casos suspeitos na região da capital, Porto Príncipe. 

Varíola dos macacos 

Para a varíola dos macacos, dados da organização mostram mais de 45 mil casos relatados nas Américas — 63% do total registrados em todo o mundo. Cerca de 95% das infecções são em homens. Apenas na semana passada, foram contabilizados 2,3 mil novos casos na região, sobretudo nos Estados Unidos, Brasil, Colômbia e México. 

Na última semana, o Brasil registrou mais três mortes pela doença, subindo para seis o número total de óbitos: duas em Minas Gerais, três no Rio de Janeiro e uma em São Paulo — a primeira na capital. Os três estados concentram os maiores números de casos no Brasil. 

A Opas destacou que, para essa situação, vacinas já estão sendo distribuídas nas Américas. Brasil e Chile foram os primeiros países a receber as doses, entregues na semana passada. 

Covid-19 

No caso da pandemia de covid-19, embora ainda há muitos casos e mortes registradas, Etienne avaliou que a tendência é de queda em todo o mundo, inclusive nas Américas. A movimentação mostra uma possível transição da fase aguda da pandemia para uma fase de controle sustentado. Na semana passada, a região registrou 178 mil novos casos da doença. 

O cenário de transição só será alcançado, no entanto, por meio da continuação da testagem e do aumento da vacinação. Embora mais de 70% da população das Américas estejam imunizados contra a covid, dez países e territórios, segundo a Opas, ainda não atingiram 40% de cobertura vacinal. 

Outro recente levantamento, também do órgão mundial, apontou que a covid-19 reduziu a expectativa de vida nas Américas em quase três anos. A pesquisa foi apresentada na 30ª Conferência Sanitária Pan-Americana da OPAS, que ocorreu em setembro. Confira aqui! 

Poliomielite e a baixa adesão às vacinas 

Faz alguns anos que a Opas vem alertando as Américas sobre a baixa taxa de cobertura vacinal contra a poliomielite, colocando toda a região em risco. 

A diretora fez um novo apelo aos países para aumentarem a cobertura vacinal e a vigilância em relação à doença. Segundo ela, quatro países das Américas estão classificados como “em risco muito alto” de sofrer um surto da doença, enquanto oito nações são consideradas apenas “de alto risco”. Entre as regiões com o nível mais elevado de retorno da doença estão Brasil, República Dominicana, Haiti e Peru. 

“A pólio, uma doença para a qual não há cura ou tratamento, deve tornar-se uma coisa do passado. Com vacinas eficazes e décadas de experiência em imunização, temos o poder de mantê-la a distância”, concluiu. 

Fonte: Olhar Digital