O presidente americano ainda elogiou Jair, dizendo que ele “tem feito um ótimo trabalho” na administração do país

EUA – O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, foi questionado durante entrevista coletiva sobre o jantar que teve no último sábado (7), com o presidente Jair Bolsonaro, após a notícia de que o líder do Brasil teria sido monitorado por coronavírus e de que o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, teve confirmação da doença. “Não tenho nenhum sintoma de coronavírus, tive uma ótima reunião com Bolsonaro”, afirmou Trump.

O presidente americano ainda elogiou Bolsonaro, dizendo que ele “tem feito um ótimo trabalho” na administração do país. Questionado se mantém contato com o Brasil sobre isso, Trump respondeu que tem mantido contato com os países sobre o coronavírus, mas também disse que, no caso de Bolsonaro, houve uma suspeita, que já foi descartada. “Houve a notícia de que ele poderia ter, mas ele não tem”, comentou.

 
Perguntado sobre o encontro que teve com outras autoridades brasileiras no sábado, na Flórida, entre elas o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, que teve teste confirmado para coronavírus, o presidente dos EUA disse que é provável que ele seja testado por coronavírus em algum momento.
 
Trump afirmou ainda que teve um contato com muitas pessoas na ocasião. “Sentei com o presidente Bolsonaro por provavelmente duras horas no jantar, mas ele está bem”, comentou, em referência ao presidente Jair Bolsonaro, que afirmou mais cedo no Facebook que o resultado de seu exame para coronavírus deu negativo.
O presidente americano foi questionado se não estaria sendo egoísta por não se isolar, após um membro da comitiva ter testado positivo para o vírus, mas não comentou sobre essa possibilidade.
 
Nesta sexta-feira, Trump decretou emergência nacional contra o coronavírus, o que segundo ele permitirá a liberação de US$ 50 bilhões em orçamento federal para lidar com o problema.
 
Em declarações na Casa Branca, o presidente dos Estados Unidos disse que o país está em uma “fase diferente” do combate à doença e celebrou o fato de já ter nesta semana decidido interromper os voos entre os EUA e a Europa para conter a disseminação da doença, ao lembrar que o continente foi apontado como o novo epicentro do vírus mais cedo pela Organização Mundial de Saúde (OMS).
 

Trump disse ainda que os EUA “estão no começo” das medidas para lidar com a doença e pediu que os hospitais acionem planos de emergência, recomendando também que os governos estaduais atuem no mesmo sentido.

Ele anunciou ainda uma parceria com o setor privado para acelerar os testes de coronavírus. Segundo Trump, estarão disponíveis na próxima semana no país 500 mil novos testes e, ao longo do próximo mês, 5 milhões deles.

Trump e sua equipe informaram ainda que o Google tem ajudado no desenvolvimento de um site para testes. Na página, os americanos poderão responder a questões e, se forem considerados casos que devem fazer o exame, orientados sobre onde podem ir para isso. O presidente disse que a nova abordagem com relação aos testes deve ajudar no combate ao problema. “O coronavírus vai passar e emergiremos ainda mais fortes”, afirmou Trump.

 
Fonte: O DIA
Donald Trump e Jair Bolsonaro

Faça o seu comentário