300 agentes cumprem 85 mandados em cinco Estados e no DF, e bloqueio de 720 milhões de reais em bens de 36 investigados

A sétima fase da Operação Lava Jato, deflagrada nesta sexta-feira (14) pela Polícia Federal (PF), cumpriu, até as 11h, quatro mandados de prisão preventiva, 14 de prisões temporárias e seis de condução coercitivas no Paraná, em São Paulo, no Rio de Janeiro, em Minas Gerais, em Pernambuco e no Distrito Federal. Entre os suspeitos presos pela PF estão um ex-dirigente da Petrobras e executivos de empresas que mantém contratos com a estatal.

Renato Duque
O ex-diretor de Serviços da Petrobras, indicado pelo PT para o alto escalão da estatal, foi preso em sua residência, no bairro da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro, e conduzido para a superintendência local da PF.

Durante depoimento prestado à Justiça Federal, o ex-diretor de Refino e Abastecimento da estatal do petróleo Paulo Roberto Costa, que fez acordo de delação premiada e cumpre prisão domiciliar, disse ter conhecimento de irregularidades praticadas na Diretoria de Serviços da empresa entre 2004 e 2012. À época, Duque comandava de Serviços da petroleira era Duque.

Segundo o delegado da PF responsável pela Lava Jato, Igor Romário de Paula, o ex-diretor de Serviços é investigado pela suposta participação na celebração de contratos oriundos de um “cartel de empreiteiras” e pelo suposto desvio de recursos para a corrupção de agentes públicos e políticos.

Nota oficial divulgada pela assessoria de Renato Duque confirmou que o ex-dirigente da Petrobras foi preso temporariamente. O texto, entretanto, destaca que não há “notícia de uma ação penal ajuizada contra ele”. “Os advogados desconhecem qualquer acusação”, diz o comunicado.

“A partir do momento em que tomarem ciência do motivo da prisão temporária, realizada para investigações, os advogados adotarão as medidas cabíveis para restabelecer a legalidade”, acrescentou a nota de Duque.

‘Fernando Baiano’
Outro alvo da Polícia Federal é o lobista Fernando Soares, conhecido como “Fernando Baiano”. A Justiça Federal do Paraná expediu mandado de prisão temporária contra Soares, mas os policiais federais ainda não o localizaram. Ele é considerado foragido.

Em depoimento em outubro à Justiça Federal, o doleiro Alberto Youssef mencionou que o lobista operava a cota do PMDB no esquema de corrupção que funcionava na Petrobras. Conforme o doleiro afirmou à Justiça, Soares fazia a ponte entre a construtora Andrade Gutierrez com a Petrobras.

Todos os investigados que ainda não foram encontrados, esclareceram os delegados, já tiveram seus nomes registrados no sistema da Polícia Federal e estão impedidos de deixar o país. Os nomes dos investigados com mandado de prisão preventiva também foram incluídos na lista de alerta vermelho da Interpol.

Veja parte da lista de mandados expedidos pela Justiça Federal do Paraná:

Mandados de prisão preventiva
Eduardo Hermelino Leite (Camargo Correa)
José Ricardo Nogueira Breghirolli (OAS)
Agenor Franklin Magalhães Medeiros (OAS)
Sérgio Cunha Mendes (Mendes Junior)
Gerson de Mello Almada (Engevix)
Erton Medeiros Fonseca (Galvão)

Mandados de prisão temporária
João Ricardo Auler (Camargo Correa)
Mateus Coutinho de Sá Oliveira (OAS)
Alexandre Portela Barbosa (OAS)
Ednaldo Alves da Silva (UTC)
Carlos Eduardo Strauch Albero (Engevix)
Newton Prado Júnior (Engevix)
Dalton dos Santos Avancini (Camargo Correa)
Otto Garrido Sparenberg (IESA)
Valdir Lima Carreiro (IESA)
Jayme Alves de Oliveira Filho
Adarico Negromonte Filho
José Aldemário Pinheiro Filho (OAS)
Ricardo Ribeiro Pessoa (UTC)
Walmir Pinheiro Santana (UTC)
Carlos Alberto da Costa Silva
Othon Zanoide de Moraes Filho (Queiroz Galvão)
Ildefonso Colares Filho (Queiroz Galvão)
Renato de Souza Duque
Fernando Antonio Falcão Soares

Mandados de condução coercitiva
Edmundo Trujillo (Camargo Correa)
Pedro Morollo Júnior (OAS)
Fernando Augusto Stremel Andrade (OAS)
Ângelo Alves Mendes (Mendes Júnior)
Rogério Cunha de Oliveira (Mendes Júnior)
Flávio Sá Motta Pinheiro (Mendes Júnior)
Cristiano Kok (Engevix)
Marice Correa de Lima (OAS)
Luiz Roberto Pereira

Fonte: http://g1.globo.com

2

Faça o seu comentário