O ex-secretário estadual de Saúde do Rio de Janeiro Edmar Santos afirmou em seu acordo de delação premiada a existência de 1 esquema de propina para desviar verbas destinadas ao combate à pandemia do novo coronavírus no estado.

Segundo Edmar, ele e o presidente da Alerj (Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro), André Ceciliano (PT), conversaram em uma reunião no gabinete do deputado estadual sobre o esquema de propina envolvendo o valor de R$ 100 milhões doados pelo Legislativo.

O desvio seria a partir de transferência dos valores para prefeituras do interior, sob a influência dos deputados da Casa.

Segundo o anexo 31 do documento referente à delação de Edmar Santos, publicado pelo jornal O Globo, o ex-secretário de Saúde conta que toda a movimentação de recursos seria estruturada em cima de excedentes dos duodécimos da Alerj — valor transferido pelo Tesouro Estadual para o custeio dos órgãos.

O ex-secretário de Saúde alega que a Assembleia enfrentou dificuldades na distribuição da verba do Executivo. Por isso, a proposta de doar as sobras teria sido uma manobra para beneficiar o esquema de desvio de verbas destinadas ao enfrentamento da pandemia.

A divisão da propina incluiria o então vice-governador, Cláudio Castro, que substituiu Wilson Witzel (PSC) no cargo, e para o ex-secretário estadual da Casa Civil André Moura (PSC), que hoje atua no escritório de representação do estado em Brasília.

DESTINO DA VERBA

Ceciliano procurou Edmar para assegurar o repasse do dinheiro a alguns municípios. Segundo a Procuradoria-Geral da República (PGR), “evidenciando que a estratégia tinha por objetivo maior atender aos interesses espúrios do grupo criminoso”.

Edmar contou que o dinheiro saía da Alerj para o caixa da Secretaria estadual de Saúde. De lá, era transferido para municípios indicados por parlamentares.

Segundo o jornal O Globo, 87 cidades foram beneficiadas com repasses de cerca de R$ 1 milhão para a construção de centros de triagem voltados a pacientes com covid-19.

Edmar disse que havia uma divisão de propina e que ele acredita que parte desses recursos voltavam em dinheiro vivo para políticos, segundo relatou ter ouvido do próprio presidente da Alerj, André Ceciliano (PT-RJ).

CASTRO NEGA

A assessoria do governador em exercício disse que Cláudio Castro não tem conhecimento dos fatos relatados por Edmar. Também negou qualquer envolvimento do vice com irregularidades.

O presidente da Alerj, André Ceciliano, disse que as acusações são “mentirosas”. Segundo ele, “a cada momento, novas e contraditórias versões da delação do réu confesso Edmar são noticiadas, na tentativa desesperada de reduzir sua pena”.

Em nota, o deputado afirmou que nunca se reuniu com o ex-secretário para tratar de assuntos que não fossem do interesse da população do Rio. Segundo Ceciliano, os repasses das sobras dos duodécimos da Alerj para saúde foram feitos “com o único objetivo de ajudar os municípios no enfrentamento à pandemia da Covid-19”.

Fonte: Poder 360