Segundo informações, presidente condicionará veto ao reajuste à aprovação de projeto de taxação de grandes fortunas
naom_559f9e33a6c6d

A presidente Dilma Rousseff apresentará alternativa para conceder aumento real a aposentados do INSS que ganham acima do salário mínimo. O jornal O Dia informa que a proposta será condicionada ao veto da emenda à MP 672 aprovada pelo Senado que estende o mecanismo de reajuste do piso a todos os segurados da Previdência, independentemente do valor do benefício.

Segundo fontes, uma das propostas avaliadas, e que provoca polêmica na equipe econômica, usará recursos da taxação de grandes fortunas. Em tramitação no Congresso, o PLC 130/2012 prevê alíquotas de 0,5% a 1% que incidiriam sobre fortunas acima de US$ 1 milhão (R$ 3,4 milhões). Estima-se que cerca de 200 mil contribuintes seriam taxados. O que resultaria numa arrecadação que vai de R$6 bi a R$10 bilhões. Países como Holanda, França, Suíça, Noruega, Islândia, Luxemburgo, Hungria e Espanha têm legislação que taxam grandes fortunas. Na América do Sul, Uruguai, Argentina e Colômbia também têm.

A publicação refere que desta forma, o governo procura atenuar a pressão pelo veto. No entanto, destina ao Congresso a responsabilidade de aprovar a taxação de grandes riquezas para garantir receitas que serão destinadas à correção dos benefícios previdenciários.

Em viagem à Rússia, Dilma foi questionada se vetaria a extensão do mesmo aumento a todos os aposentados. A presidente afirmou que apresentará proposta em troca da emenda, assim como fez, lembrou, com a questão do fator previdenciário e do Código Florestal.

De acordo com as informações divulgadsa, a proposta de taxação chegou a ser analisada pelo então ministro da Fazenda, Guido Mantega, mas não foi levada adiante. O atual titular da pasta, Joaquim Levy, seria contrário. Porém, o governo considera a proposta de aumento real para aposentados uma forma de aquecer a economia.

Custos

A publicação d’O Dia cita que o governo voltou a insistir que como foi aprovada, a MP 672 inviabiliza as contas da Previdência. O ministério informou que o impacto do aumento igual para os mais de 30 milhões de segurados do INSS vai provocar despesa de R$322,6 milhões em 2016, quando o reajuste pela regra do mínimo já valerá para todos.

“Alterada a regra, os impactos seriam crescentes, impactando fortemente a relação entre receitas e despesas no âmbito do RGPS (regime geral)”, afirmou a pasta em nota.

De 2016 a 2018, o peso seria de R$ 3,361 bi. Do ano que vem até 2019, segundo a Previdência, o custo iria a R$11,064 bi. E até 2025, a R$57,3 bi. Até 2045, chegaria a R$ 211,4 bi.

Em nota a pasta argumenta que “Cada 1% de aumento acima do INPC equivale a R$ 2 bilhões, ao ano, em valores de 2015”.