Organização prevê ameaça à hegemonia de Duque de Caxias e Nova Iguaçu. Competição começou hoje

Os municípios que disputam a 21ª edição dos Jogos da Baixada apostam nas redes sociais para mobilizar torcida e atletas na luta pelo título do evento, que começou às 9h deste domingo, na vila olímpica de Duque de Caxias. A tática também foi usada para organizar seletivas nas cidades. A competição, que contará com 3,2 mil competidores em oito modalidades, será aberta com as provas de atletismo, disputas no handebol feminino sub-14 e com a primeira rodada do futebol.

JOGOS DA BAIXADA – INFOGRAFIA: KIKO

A prefeitura de Caxias, os donos da casa na abertura dos Jogos, usou os seus perfis no Instagram e Facebook para divulgar a disputa. Nova Iguaçu e Queimados adotaram a mesma tática para organizar seletivas. Caxias, que conquistou o 13º título no ano passado, luta para manter a hegemonia. Principal desafiante, com os outros sete troféus, Nova Iguaçu apostou em seletivas com mais de 300 jovens para reforçar a delegação. A iniciativa foi divulgada no Facebook da prefeitura. Queimados anunciou, na mesma rede social, uma ‘peneira’ para selecionar atletas no handebol.

 
jogosbaixada – art

O município, bronze nas últimas três edições, é o principal desafiante. No ano passado, foi ouro na natação. Em 2016, levou a melhor no basquete. Agora, reúne forças para reforçar a sua equipe de handebol. Mas a principal expectativa é de que delegações sem tanto prestígio possam surgir nesta edição, com chances reais de surpreender os tradicionais favoritos.

É o caso de Magé, que conquistou ouros em 2016 e em 2017 no handebol. Na estreia no feminino sub-14 neste ano, o município é um dos favoritos para sair na frente na disputa. Mas pega um concorrente de peso logo na estreia: Nova Iguaçu, que levou o ouro na categoria no ano passado.

Além do crescimento no handebol, Magé, que revelou o craque Garrincha para o mundo, também aparece como um dos favoritos no futebol e no futsal. Outro ‘azarão’ que pode surpreender é Guapimirim, que começou a armar uma seleção escolar desde o começo do ano. “Os municípios estão se esforçando para disputar o título contra Duque de Caxias e Nova Iguaçu de igual para igual. Os favoritos nunca estiveram tão ameaçados”, acredita o produtor Fernando Salvador.

Uma recordista para abrir os Jogos

A história de Amanda está no livro ‘Jogos da Baixada 20 Anos’ – Alexandre Brum

A escolhida para acender a tocha olímpica foi uma ‘cria’ do evento, que se tornou recordista do atletismo no país. Amanda Fontes Dias representou Duque de Caxias nos Jogos de 1999, levando o ouro nos 100m, 400m e 800m rasos. No ano seguinte, quebrou o recorde brasileiro nos 400m rasos sub-18, com o tempo de 54s27, marca que durou 17 anos.

Amanda também colecionou outras conquistas. Foi mais de dez vezes campeã brasileira e conquistou os títulos sul-americano e pan-americano juvenil também nos 400m rasos. A história de Amanda também foi contada no livro ‘Jogos da Baixada 20 Anos’, de autoria dos jornalistas Herculano Barreto Filho e Raphael Vaz Teixeira. “A obra é completa porque conseguiu retratar toda a história do evento”, elogia o coordenador esportivo Antônio Prazeres.

A competição contará com um leque variado de patrocinadores e apoiadores de peso. Entre eles, o governo federal, pela segunda vez consecutiva no evento. Leonardo Picciani, ministro do Esporte, confirmou presença na cerimônia de abertura. Além do Sesc-RJ e da Piraquê, o evento ainda conta com novos parceiros. É o caso do Detran-RJ, da TIM e da Robmar Automóveis. “Isso mostra a importância do maior evento socioesportivo da Baixada”, diz Daniel Penalva, diretor de Publicidade do DIA. O Sesc-RJ irá organizar atividades paralelas. Entre elas, oficinas de frisbee e badminton, recreação e jogos gigantes (com dominó, boliche e jogo da velha) e ações de saúde, com escovário, aferição de pressão arterial e orientação nutricional.

Jogos da Baixada ARTE O DIA

 

Faça o seu comentário