Conheça a História do Pão de Açúcar e a instalação do primeiro Bondinho, e veja duas centenas de fotos.

O Pão de Açúcar fica localizado no Bairro da Urca, na Praia Vermelha, milhões de pessoas de todo mundo já vieram passear e conhecer uma vista fantástica do Rio de Janeiro. Neste sábado (25/07) fui conhecer de perto um dos pontos turísticos mais belo do mundo inteiro, uma multidão de pessoas de vários países do mundo, formavam filas, para comprar o ingresso do Bondinho. A bilheteria abre as 8:00 horas e fecha as 19: 50 horas. O Preço não é muito salgado, R$ 62 para adulto, R$ 32 para estudantes, idosos, pessoas de necessidades especiais, e menores de 6 anos grátis. O almoço e lanche em geral, custa um pouco a mais, mas a quantidade de comida servida é muito pouco, comparado a qualquer restaurante normal.

O Bondinho transporta 65 pessoas por vez, e leva três minutos para chegar no primeiro destino que é o Morro da Urca. Ali tem um Heliporto, para passeio turístico pelas ilhas e o Corcovado. O passeio de Helicóptero leva em média 10 minutos custa R$ 280 por pessoa. Nesta primeira parada existe um Shopping onde vende desde Joias, Lembranças, lanches e refeições. Para chegar ao Morro Pão de Açúcar o turista precisa fazer nova baldeação e pegar outro Bondinho até seu destino final.

Ao chegar ao morro da Urca fui recepcionado por uma família de Saguis que queria roubar meu pastel, comprei uma banana e eles subiram nas minhas costas para disputar esta iguaria.

Origem do nome

Há várias versões históricas a respeito da origem do nome Pão de Açúcar. Segundo o historiador Vieira Fazenda, foram os portugueses que deram esse nome, pois durante o apogeu do cultivo da cana-de-açúcar no Brasil (século XVI e XVII), após a cana ser espremida e o caldo fervido e apurado, os blocos de açúcar eram colocados em uma forma de barro cônica para transportá-lo para a Europa, que era denominada pão de açúcar. A semelhança do penhasco carioca com aquela forma de barro teria originado o nome.
O penedo teve ao correr do tempo, cronologicamente, os seguintes nomes:
“Pau-nh-açuquã” da língua Tupi, dado pelos Tamoios, os primitivos habitantes da Baía de Guanabara, significando “morro alto, isolado e pontudo”; “Pot de beurre” dado pelos franceses invasores da primeira leva; “Pão de Sucar” dado pelos primeiros colonizadores portugueses; “Pot de Sucre” dado pelos franceses invasores da segunda leva. Ortograficamente, segundo a anterior ortografia da Língua Portuguesa, “Pão de Assucar”, era com ss.
O nome Pão de Açúcar generalizou-se, a partir da segunda metade do século XIX, quando o Rio de Janeiro recebeu as missões artísticas do desenhista e pintor alemão Johann Moritz Rugendas e do artista gráfico francês Jean Baptiste Debret que, em magníficos desenhos e gravuras, exaltaram a beleza do Pão de Açúcar.

 

Em 1912, a inauguração de um caminho aéreo no Rio de Janeiro incluía no mapa turístico do Brasil empreendimento que se tornaria mundialmente famoso BONDINHO DO PÃO DE AÇÚCAR. Hoje, a visão dos bondinhos, no seu constante vaivém, está incorporada à paisagem carioca.

pão de açucar bonde antigo

DSC_0148
Este Relógio custa R$50.000

DSC_0001 DSC_0002 DSC_0003 DSC_0004 DSC_0005 DSC_0007 DSC_0008 DSC_0009 DSC_0010 DSC_0012 DSC_0013 DSC_0014 DSC_0016 DSC_0017 DSC_0018 DSC_0019 DSC_0025 DSC_0026 DSC_0027 DSC_0028 DSC_0030 DSC_0031 DSC_0032 DSC_0033 DSC_0034 DSC_0035 DSC_0036 DSC_0037 DSC_0038 DSC_0039 DSC_0040 DSC_0041 DSC_0042 DSC_0043 DSC_0044 DSC_0045 DSC_0046 DSC_0047 DSC_0048 DSC_0052 DSC_0053 DSC_0054 DSC_0055 DSC_0056 DSC_0057 DSC_0058 DSC_0059 DSC_0060 DSC_0062 DSC_0064 DSC_0065 DSC_0066 DSC_0067 DSC_0068 DSC_0069 DSC_0070 DSC_0071 DSC_0073 DSC_0074 DSC_0075 DSC_0076 DSC_0077 DSC_0078 DSC_0080 DSC_0081 DSC_0082 DSC_0083 DSC_0084 DSC_0085 DSC_0086 DSC_0087 DSC_0088 DSC_0089 DSC_0090 DSC_0091 DSC_0092 DSC_0093 DSC_0094 DSC_0095 DSC_0098 DSC_0101 DSC_0102 DSC_0103 DSC_0104 DSC_0105 DSC_0107 DSC_0108 DSC_0109 DSC_0110 DSC_0111 DSC_0112 DSC_0113 DSC_0114 DSC_0115 DSC_0116 DSC_0117 DSC_0118 DSC_0120 DSC_0121 DSC_0122 DSC_0123 DSC_0124 DSC_0125 DSC_0126 DSC_0128 DSC_0130 DSC_0131 DSC_0132 DSC_0133 DSC_0134 DSC_0135 DSC_0136 DSC_0137 DSC_0138 DSC_0139 DSC_0140 DSC_0142 DSC_0143 DSC_0144 DSC_0145 DSC_0146 DSC_0147 DSC_0149 DSC_0150 DSC_0151 DSC_0152 DSC_0153 DSC_0154 DSC_0155 DSC_0157 DSC_0158 DSC_0159 DSC_0160 DSC_0161 DSC_0162 DSC_0163 DSC_0164 DSC_0165 DSC_0166 DSC_0167 DSC_0168 DSC_0169 DSC_0170 DSC_0171 DSC_0172 DSC_0173 DSC_0174 DSC_0175 DSC_0176 DSC_0177 DSC_0178 DSC_0179 DSC_0180 DSC_0181 DSC_0182 DSC_0183 DSC_0184 DSC_0185 DSC_0186 DSC_0187 DSC_0188 DSC_0189 DSC_0190 DSC_0191 DSC_0192 DSC_0193 DSC_0194 DSC_0195 DSC_0196 DSC_0197 DSC_0198 DSC_0199 DSC_0200 DSC_0201 DSC_0203 DSC_0205 DSC_0206 DSC_0207 DSC_0208 DSC_0209 DSC_0210 DSC_0211 DSC_0212 DSC_0213 DSC_0214 DSC_0215