A educação sempre foi considerada algo de muita importância na vida dos seres humanos. Desde muito tempo atrás [tempo] , os pais procuram educar seus filhos de acordo com as regras familiares que são levadas [transmitidas] de geração a geração. São princípios que inclui [incluem] a ética familiar, o respeito para com os mais velhos, dentre outros. Considera-se que o estudo é a arma que fornece poder e, através desse [dele] , é possível passar no vestibular, torna-se [tornar-se] bem sucedido , consequentemente, ter uma vida de boa qualidade.

Certamente, “quem estuda tem uma chance maior de ser feliz, ter um bom emprego e ser bem sucedido” . O estudo abre a mente das pessoas, fazendo-as sair de um mundo individual para um mundo coletivo, desta [coletivo. Dessa] forma, a pessoa passar [passa] a olhar o problema social que estar em [está a] sua volta, a olhar para o outro que compõem [compõe] o mundo em que ele vive e passa a pensar em um todo. Além disso, “quem estuda pode viver mais” revelam especialista [especialistas].

No entanto, existem exemplos de famosos hoje bem sucedidos que abandonaram os cursos superiores e hoje são donos de seus próprios negócios, deixando assim uma duvida [dúvida] : se a educação é necessário [necessária] para se ter uma vida boa, como estes [esses] famosos tem [têm] hoje uma vida muito bem [tão] favorável? Acontece que estes famosos [eles] não nasceram ricos ou com a vida que tem [têm] hoje. O Silvio Santos (empresário), por exemplo, antes de ser rico, ele foi um vendedor de camelo [foi camelô] , passou dificuldades, até chegar onde [aonde] chegou. É possível dizer que ele tenha sido vítima da “sorte” , o que não é algo que certamente todos sem conhecimento terão.

Indubitavelmente, os países de primeiro mundo [Primeiro Mundo,] como china [China] , EUA e Inglaterra, são hoje desenvolvidos porque investem na educação. São [O equivalente a] bilhões de reais gastos [é gasto] para a melhoria do aprendizado dos alunos. Porém, não há um interesse somente do governo, mas também de toda a população, uma vez que a nação é formada por aqueles que a compõe [compõem] .

Enfim, a educação como fonte de conhecimento certamente é base para quem quer ter uma vida de boa qualidade, mas que não precise passar por vexames para conquistar a mesma. Assim, podemos chegar a um ponto em que toda a população possa ter uma vida melhor, acarretando um grande desenvolvimento intelectual, financeiro e no país. [intelectual e financeiro ao país.]

Comentário geral
Um problema grave nesse texto é o uso de citações sem as devidas identificações de autoria. Mesmo quando usados os textos da coletânea, é imprescindível que esses dados sejam contextualizados. Embora o autor tenha defendido um ponto de vista em favor da educação como fator indispensável ao desenvolvimento global do ser humano, o texto apresentou falhas na expressão que o prejudicaram bastante.

Aspectos pontuais
1) Segundo parágrafo: a) é preciso identificar a autoria da citação; b) é interessante o argumento de que o estudo torna o indivíduo mais atento à sociedade, porém há falhas na concordância e generalizações que tornaram as ideias pouco consistentes; c) no último período, há nova citação vaga, já que não se sabe a que especialistas o autor se refere e nem de que forma o estudo amplia o tempo de vida.

3) Terceiro parágrafo: a) informação incoerente, já que camelô não é quem vende camelo; b) houve impropriedade vocabular no uso da expressão vítima da sorte, pois uma expressão é negativa e a outra é positiva. Deve-se dar mais clareza à análise.

4) Quarto parágrafo: a) China não é país desenvolvido; b) a informação final é dispensável, pois só reproduz o óbvio.

5) Quinto parágrafo: trecho confuso, mal escrito e com conectivo inadequado, que não estabelece a relação correta entre as ideias. Não fica claro a que tipo de vexame o indivíduo estará exposto.

Competências avaliadas
1. Demonstrar domínio da norma culta da língua escrita. 1,0
2. Compreender a proposta da redação e aplicar conceito das várias áreas de conhecimento para desenvolver o tema, dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 1,5
3. Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos, opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 1,0
4. Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 1,0
5. Elaborar a proposta de solução para o problema abordado, mostrando respeito aos valores humanos e considerando a diversidade sociocultural. 0,5
Total 5,0
Desempenho do aluno em cada competência
Nota 2,0 – Satisfatório Nota 0,5 – Fraco
Nota 1,5 – Bom Nota 0,0 – Insatisfatório
Nota 1,0 – Regular

Fonte: UOL