Mato Grosso do Sul é corredor de passagem de armas e objetivo seria evitar tráfico

Governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, se prontificou a enviar policiais para fechar com forças de segurança a fronteira do Brasil com o Paraguai para impedir que armas do país vizinho entrem no Brasil. Mato Grosso do Sul, que junto com o Paraná faz fronteira, é um dos corredores de passagem do tráfico de armas, que tem como destino geralmente o Rio de Janeiro e São Paulo.

Declaração do governador foi feita em evento dirigido a empresários, nessa sexta-feira (27).

“Vamos fechar a fronteira com o Paraguai. Não comercialmente, mas policialmente. Eu colaboro, mando policiais para a fronteira. E vou pedir a outros estados que mandem policiais para lá. Não é possível que o Brasil continue sangrando com essas armas e ninguém faça nada”, disse Witzel.

Ainda conforme o governador, ele determinou que a Procuradoria-Geral do Estado inicie estudos para processar o Paraguai junto à Organização das Nações Unidas (ONU) e Corte Interamericana dos Direitos Humanos pelo tráfico de armas ao Brasil.

Apesar das declarações, ele disse que não tem responsabilidade por processar o Paraguai, que não patrulha fronteiras e nem determina quem a Polícia Federal deve investigar. É o Ministério das Relações Exteriores que deve tomar as providências para orientar o presidente da República a exigir do Conselho de Segurança da ONU retaliações ao Paraguai, à Colômbia e à Bolívia pelo tráfico de armas e de drogas que inundam a América do Sul”, declarou Witzel.

APREENSÃO

Uma mulher, que estava acompanhada de dois filhos, de 3 e 10 anos, foi preso por tráfico de munições.

Durante fiscalização da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na rodovia, o veiculo Nissan Kicks, conduzido pela mulher, foi abordado.

Policiais solicitaram que a mulher apresentasse os documentos de porte obrigatório, como carteira nacional de habilitação (CNH) e documentos do veículo, entre outros.

Neste momento, a mulher demonstrou bastante nervosismo, até que começou a chorar diante dos policiais rodoviários federais, além de não saber explicar as motivações da viagem.

Por conta do comportamento suspeito,  Grupo de Operações com Cães (GOC) foi acionado e o K9 Bud, especialista no faro de drogas, armas e munições, indicou a presenção de ilícitos no interior do veiculo.

Diante da sinalização, as equipes iniciaram uma fiscalização minuciosa no veículo e encontraram, em um compartimento oculto embaixo do carro, cerca de 3,5 mil munições de diversos calibres, sendo 5.56, 7.62 e.30 utilizadas em fuzis, além de calibre .12.

A motorista confessou que receberia R$5 mil para transportar as munições de Campo Grande, capital de Mato Grosso do Sul, até as comunidades do Rio de Janeiro.

Ela foi presa em flagrante e encaminhada a 22ª Delegacia de Polícia (Penha). As crianças foram levadas para o Conselho Tutelar.

Fonte: Correio do Estado

Faça o seu comentário