Em Santa Missa da segunda semana da Quaresma realizada neste domingo 8 de março pelo Padre Paulo Sergio, um grupo pertencente a Sociedade São Vicente de Paula do Bairro de Santa Cruz do Rio de Janeiro estivera na comunidade do Cruzeiro explicando o propósito da Conferencia Vicentina.

“Fazer parte de uma Conferência Vicentina é um magnífico presente de Deus. É lá que podemos praticar a bela fé católica, fazer amigos sinceros, conhecer pessoas novas, ajudar a quem precisa e aprimorar nossa condição espiritual. Só há benefícios para quem dela participa, pois nos tornamos cristãos melhores ao buscar uma sociedade mais justa, fraterna e solidária. Também os socorridos são extremamente favorecidos, ao receberem uma mão amiga nos momentos de sofrimento e desespero”.

 Em outras palavras, as Conferências são comunidades de fé, esperança e caridade. Podem ser assim definidas, pois contemplam Cristo no rosto do Pobre, executando um serviço concreto e prático, em coordenação e amizade entre os membros.

Em sua Homilia o Padre Paulo Sergio fala que por meio do tema e do lema da Campanha da Fraternidade 2020. “Fraternidade e Vida, Dom e Compromisso. Viu, sentiu compaixão e cuidou dele”, somos convidados a refletir sobre o significado mais profundo da vida em suas diversas dimensões: pessoal, comunitária, social e ecológica.

Dando continuidade a homilia o Padre Paulo Sergio fala que neste contexto o São Vicente de Paula cuidava dos menos favorecidos: “São Vicente de Paulo não trabalhou sozinho. Soube conquistar corações e seu ardor missionário atraiu uma multidão de pessoas para ORGANIZAR A CARIDADE”

São Vicente em 1625, fundou a Congregação da Missão – Renovou a vida da Igreja, fundando o serviço missionário da evangelização dos Pobres. “O legado de São Vicente nos permite fortalecer nossa Fé e descobrir maneiras concretas de estar juntos dos Pobres caminhando com eles em busca de vida e vida abundante trazida por nosso Salvador Jesus Cristo”. Destaca o Pároco Paulo Sergio.

A Família Vicentina refere-se ao conjunto de congregações, organismos, movimentos, associações, instituições e grupos de pessoas que, de forma direta ou indireta prolongam no tempo o carisma vicentino, seja porque foram fundadas diretamente por São Vicente de Paulo, ou fundadas por leigos ou por religiosos, e que encontram nele fonte de inspiração e dedicação ao serviço aos Pobres. E que vivem a espiritualidade vicentina.

Em 25 de março de 1931, o Papa Pio IX solicitou a todos os párocos que formassem grupos da mesma associação nas paróquias. • Com mais de 150 anos a JMV, procura trilhar os caminhos de serviço aos Pobres. • Sua finalidade é a contemplação de Cristo, o olhar atento sobre os exemplos de Maria e a imitação das virtudes de SVP. • Preparam crianças, adolescentes e jovens para crescerem no amor de Deus e aos irmãos, para serem agentes transformadores do meio onde vivem.

“Gostaria de abraçar o mundo numa rede de caridade”

É com este desejo que Frederico Ozanam co-fundou a Sociedade de São Vicente de Paulo, em 1833. Francês, nascido em Milão, Ozanam contribuiu para a renovação da Doutrina Social Cristã. Resolutamente aberto ao humanismo e ao universal, concebeu a Sociedade São Vicente de Paula (SSVP) como uma rede mundial de caridade, inseparável do ideal da justiça.

No final da Santa Missa foi realizado uma homenagem as Mulheres pela passagem de seu dia.

Crianças estudando Catecismo para Primeira Comunhão

 

Faça o seu comentário