Beber chá pelo menos três vezes por semana está associado a uma vida mais longa e saudável, de acordo com um estudo chinês publicado na revista “European Journal of Preventive Cardiology”, da Sociedade Europeia de Cardiologia.

“O consumo habitual de chá está associado a menores riscos de doenças cardiovasculares e morte por todas as causas”, disse a primeira autora do artigo, Xinyan Wang, da Academia Chinesa de Ciências Médicas. “Os efeitos favoráveis ​​à saúde são os mais robustos para o chá verde e para os bebedores habituais no longo prazo.”

A análise incluiu 100.902 participantes do projeto China-PAR2 sem histórico de ataque cardíaco, derrame ou câncer. Os participantes foram classificados em dois grupos: bebedores habituais de chá (três ou mais vezes por semana) e bebedores não habituais de chá (menos de três vezes por semana) ou que não consomem a infusão. Seus casos foram acompanhados em média por 7,3 anos.

O consumo habitual de chá foi associado a anos de vida mais saudáveis ​​e maior expectativa de vida.

Riscos menores de doenças

Por exemplo, as análises estimaram que os bebedores habituais de chá de 50 anos desenvolvem doença cardíaca coronária e derrame 1,41 ano depois e vivem 1,26 ano a mais do que aqueles que nunca ou raramente tomam chá.

Em comparação com os que nunca tomam chá ou que não o ingerem habitualmente, os consumidores habituais tiveram um risco 20% menor de sofrer uma doença cardíaca e acidente vascular cerebral, 22% menor de doença cardíaca e derrame fatal e 15% menor de morrer por qualquer causa.

A influência potencial de mudanças no comportamento de beber chá foi analisada em um subconjunto de 14.081 participantes com avaliações em dois momentos. A duração média entre as duas pesquisas foi de 8,2 anos, e a mediana de acompanhamento após a segunda pesquisa foi de 5,3 anos.

Os bebedores habituais de chá que mantiveram o hábito em ambas as pesquisas tiveram um risco 39% menor de sofrer uma doença cardíaca e acidente vascular cerebral, 56% menor de doença cardíaca e acidente vascular cerebral fatal e 29% menor de morte por todas as causas em comparação com os demais participantes.

Influência dos polifenóis

O autor sênior do estudo, Dongfeng Gu, da Academia Chinesa de Ciências Médicas, declarou: “Os efeitos protetores do chá foram mais pronunciados entre os grupos habituais consistentes de consumo de chá. Estudos de mecanismos sugeriram que os principais compostos bioativos do chá, polifenóis, não são armazenados no corpo no longo prazo. Assim, a ingestão frequente de chá por um período prolongado pode ser necessária para o efeito cardioprotetor”.

Em uma subanálise por tipo de chá, o consumo de chá verde estava associado a riscos aproximadamente 25% mais baixos de doenças cardíacas e derrames incidentes, doenças cardíacas e derrames fatais e morte por todas as causas. No entanto, não foram observadas associações significativas para o chá preto.

Gu observou que a preferência pelo chá verde é exclusiva do Leste Asiático. “Em nossa população de estudo, 49% dos usuários habituais de chá consumiam chá verde com mais frequência, enquanto apenas 8% preferiam chá preto. A pequena proporção de usuários habituais de chá preto pode dificultar a observação de associações robustas, mas nossas descobertas sugerem um efeito diferencial entre os tipos de chá”.

Efeitos mais pronunciados nos homens

Dois fatores podem estar em jogo. Primeiramente, o chá verde é uma rica fonte de polifenóis que protegem contra doenças cardiovasculares e seus fatores de risco, incluindo pressão alta e dislipidemia. O chá preto é totalmente fermentado e, durante esse processo, os polifenóis são oxidados em pigmentos e podem perder seus efeitos antioxidantes. Em segundo lugar, o chá preto é frequentemente servido com leite, o que pesquisas anteriores demonstraram que pode contrariar os efeitos favoráveis ​​à saúde do chá na função vascular.

As análises específicas de gênero mostraram que os efeitos protetores do consumo habitual de chá foram pronunciados e robustos em diferentes resultados para os homens, mas apenas modestos para as mulheres. Wang disse: “Uma razão pode ser que 48% dos homens são consumidores habituais de chá em comparação com apenas 20% das mulheres. Em segundo lugar, as mulheres tiveram uma incidência e mortalidade muito mais baixas por doenças cardíacas e derrames. Essas diferenças tornaram mais provável encontrar resultados estatisticamente significativos entre os homens”.

Fonte: MSN

_______________