Durante fiscalização no Km 39 (Ponde do Rio Guandu) na BR 465 em Seropédica, às 10:30h, a equipe GFT da 1ª Delegacia/RJ da PRF abordou a motocicleta Honda NXR 125 BROS ES vermelha, placa KPL-5636, conduzida por um mototaxista e após procedimentos de identificação veicular foi constatado registro de roubo/furto. O condutor foi detido e encaminhado à 48ªDP/PCERJ para registro de ocorrência.

O condutor falou ao Seropédica Online, que ele tinha trocado recentemente uma motocicleta que ele tinha por esta mais nova e pagou a diferença para uma mulher que se dizia dona da moto. A Policia Civil esta fazendo investigação para chegar a pessoa que vendeu a motocicleta ao mototaxista.

COISAS A OBSERVAR QUANDO COMPRAR UMA MOTO USADA PARA EVITAR UMA BOMBA OU SER PRESO POR RECEPTAÇÃO 

O mercado de motos usadas oferece várias oportunidades para se fazer um excelente negócio. Motos não deterioram tão rápido quanto os carros. A manutenção das motos é mais barata, em geral, e nas categorias de motos médias (+ de 500cc) e grandes com frequência se encontra motos que foram pouco usadas. Mesmo entre as motos mais populares, existem marcas e modelos que sofrem uma desvalorização enorme. Isso torna a moto mais acessível. Mas nem tudo são flores. É preciso examinar bem a motocicleta que se cogita comprar pois ela pode ter alguma bronca séria cuja resolução pode sair tão cara ou trazer tanto aborrecimento que anula a vantagem financeira de comprar uma moto usada mais barata. A seguir a lista das coisas que devem ser verificadas antes de comprar uma moto e evitar entrar numa cilada.

1 – Procedência. Quem é o dono ? porque está vendendo ? A documentação está em ordem ? Tem alienação fiduciária ? Tá quitada ou ainda falta parcela ? Quem está vendendo é de fato o dono no papel ? Tem muitas multas ? Está licenciada ? IPVA em dia ? A maioria dos Detran´s do Brasil permitem que se faça consulta da situação da moto usando apenas a placa. Basta acessar o site do Detran do estado em que a moto está registrada. Algo assim http://www.detran.XX.gov.br onde o XX é a sigla do estado alvo. Verifique se a marcação do chassi e do motor estão claras. Se tiver a mínima suspeita de adulteração, pule fora. O fato é que hoje em dia a maioria dos problemas em compras de motos usadas é relacionada a documentação e não a problemas mecânicos.

2 – Chassi/quadro: Fique a uns 5 metros de distância de frente para a moto, coloque-a em pé e verifique, olhando por baixo, verifique se a roda traseira está alinhada com a roda dianteira. Repita o processo do lado de traz. As rodas tem que estar completamente alinhadas.

3 – Aparência geral. Verifique por arranhões/amassos no tanque, nos manetes, nos manicotos, nas pedaleiras. Verifique se os pedais de freio e marcha estão empenados ou se a tinta esta descascada nas curvas e nas soldas dos canos. Pode ter sido empenado/desempenado e a tinta lascou. Verifique as luzes, piscas, couro do banco.

4 – Motor: com o motor frio, veja se pega de primeira. Se tiver pedal de partida, experimente-o. Veja se tem algum vazamento de óleo no cabeçote ou no bloco do motor. Veja a cor do óleo do motor. Acelere mas sem abusar e ouça se o motor engasga ou se faz algum barulho diferente, se vibra de forma descontrolada em baixa rotação.

5 – Escape. Se a moto tiver um escape só, ligue o motor e tape a boca do escape com a sola do seu sapato. Veja se o barulho fica completamente abafado (bom sinal) ou se faz barulho de gas vazando por algum outro lugar. Se a moto morrer logo em seguida, desista. Veja se faz fumaça quando acelera/desacelera. Se pingar qualquer coisa do escape, desista (a não ser que seja moto 2 tempos).

6 – Direção. Verifique se os punhos do guidão estão na mesma altura, um em relação ao outro. Veja se os comandos estão funcionando direitinho. Se a moto tiver cavalete central, suspenda a moto nele, levante a roda dianteira colocando o peso no banco/roda traseira. Gentilmente esterce o guidão para um lado e para o outro e tente ver se ele gira macio ou se tem algum “ressalto”. Se tiver, desista. Pode ser rolamento da coluna do guidão e isso é bronca.

7 – Pneus. Verifique se os pneus estão muito carecas. Pelo preço que custam, o estado do pneu pode ser a diferença entre um bom e um mau negócio. Verifique se o desgaste é regular, verifique se tem algum calombo, corte, mordida, furo, mancha, protuberância, cheiro ruim, mau hálito (ops… isso é para estado de mulher, desculpa).

8 – Elétrica. Verifique se tudo funciona, luzes, piscas, buzina, alarme. Se tiver alarme, pergunte quem instalou. Se não tiver alarme, pergunte se já teve e ele tirou ou porque nunca teve e ele não colocou. Verifique a partida elétrica, se houver. Deve funcionar de primeira.

9 – Suspensão. Verifique as bengalas da suspensão dianteira se estão meladas de óleo. Se estiverem sujas, é normal, mas se estiverem meladas mesmo, é bronca. Desista. Use um papel higiênico e depois de verificar o estado in natura das bengalas, limpe-as. Em seguida, monte na moto, freie a roda dianteira e force a suspensão várias vezes, para frente e para traz. Volte a examinar as bengalas em busca de vazamentos. Se você sentir que a suspensão dianteira está estranha, desista. Faça o mesmo na suspensão traseira mas é mais dificil limpá-la porque se for bishock vai ter as molas atrapalhando e se for monoshock fica escondido. Mesmo assim, procure por vazamentos. Se fizer algum rangido maior ou algum estalo, desista.

9 – Freios. Verifique se os discos estão riscados e se as pastilhas estão muito gastas. Veja se os discos estão alinhados, girando a roda devagarzinho e comparando o disco com as pinças. Veja se os cabos de freio ou os tubos hidráulicos estão limpos. Bombeie ambos os freios e procure vazamentos mantendo o manete pressionado. Se o freio traseiro for a tambor, verifique se ele faz algum barulho de arranhado.

9 – Comportamento dinâmico  Andando com a moto procure um lugar plano e liso, sem buracos, sem muito movimento. Acelere até uns 40 ou 50 km/h e solte as mãos do guidão. Se a moto balançar ou desviar para algum lado, desista. A moto tem que manter a linha reta sem maiores dificuldades. Acelere e desacelere trocando as marchas rapidamente, faça umas reduzidas e veja se alguma marcha escapa. Se escapar, desista. Verifique se a moto engasga. Freie com veemência e veja se a moto range ou se se desloca muito o peso para a frente. Ande numa rua de paralelepípedo ou com buracos e teste a suspensão.

9 – Pintura e quadro. Soldas, remendos, arranhões são normais em qualquer moto. Uma moto que levou um tombo não pode ser condenada. Mas uma moto que levou um tombo e um ônibus passou por cima, nunca mais vai ser a mesma. Procure por soldas no quadro e/ou bandeja de suspensão. Se for coisa boba (alça de bagageiro), tudo bem. Se for no meio do quadro, desista.

Lembre-se que problemas de acabamento (piscas quebrados, buzina arranhada, tanque amassado) dá para consertar facilmente. Porém, um motor vazando óleo ou um guidão tremendo a média velocidade é bronca séria que requer uma grana alta para consertar

Edição de matérias sobre Seropédica e atualidades.

Faça o seu comentário