Ferrovia da MRS estava interditada por decisão da prefeitura de Mangaratiba, por descumprimento da lei ambiental

A Justiça do Rio de Janeiro liberou o transporte do minério de ferro da empresa MRS Logística em Mangaratiba, suspenso desde a última sexta-feira por determinação da prefeitura da cidade, que fica no litoral do estado.

A restrição da circulação na via férrea atinge as exportações da Vale que saem do terminal de Ilha Guaíba. A decisão é do desembargador Celso Peres, do TJRJ, que impôs multa de 100 mil reais por dia ao município por descumprimento da decisão estadual. 

A interdição, segundo a prefeitura, ocorreu após emitir diversas autuações e notificações MRS por descumprimento à legislação ambiental de Mangaratiba — que prevê a obrigatoriedade no transporte ferroviário, em vagões abertos de minério ou de cargas a granel, do respeito do limite de recipiente de cada vagão e a utilização de lona.

Para o desembargador, contudo, a empresa apresenta “todo o licenciamento ambiental necessário ao desempenho de suas atividades e não se justifica que somente o município de Mangaratiba tenha adotado a medida extrema de interdição, ao contrário dos inúmeros municípios pertencentes à outras unidades federativas, os quais suportam igualmente, a malha ferroviária explorada pela empresa agravante”. 

A decisão do TJRJ, em caráter liminar, afirma que o direito da MRS “é cristalino, estando devidamente comprovada a lesão praticada pelas mencionadas autoridades locais”.

Fonte: Veja

Moradores reclamam que a poeira de minério tem prejudicado a saúde da população, principalmente para quem tem doenças alérgicas e pulmonares, como asma e bronquite. Por conta disso os moradores têm pedido a prefeitura providencias. “A poeira invade as nossas casas sujando moveis e roupas”.  Disse uma moradora. 

Seropédica online