sábado, 6 março 2021
História da Central do Brasil

História da Central do Brasil

Central do Brasil por Leandro Neumann Ciuffo

Atualmente, devido a problemas de segurança e de descaso do poder público, a Central do Brasil não é o que pode se chamar de um local inspirador. Entretanto, a história desse trecho da cidade do Rio de Janeiro é repleta de importância e uma agradável nostalgia.

Tudo começou em 1855. A igreja de Santana foi demolida para que no local fosse construída a estação de trem D. Pedro II. As locomotivas que de lá partiam uniram as províncias mais prósperas do Império: Rio, São Paulo e Minas que comercializavam, entre outras mercadorias, principalmente, café e leite.

4951178187112448

Em 1858 foi realizada a viagem inaugural que teve como passageiros Dom Pedro II e sua família. O destino foi: Rio de Janeiro a Queimados, na Baixada Fluminense, percurso de 47 quilômetros. A frota inicial da Central era composta de 10 locomotivas, 40 vagões de passageiros e 100 vagões de carga.

Construção Central do Brasil

O prédio que abrigava a antiga construção foi demolido e reerguido no início dos anos 1930 para haver a expansão do sistema ferroviário, bem como a passagem da Avenida Presidente Vargas.

“O EDIFÍCIO FOI RECONSTRUÍDO PARA IMPRESSIONAR. A PRINCIPAL INTENÇÃO DE VARGAS ERA MOSTRAR UMA CAPITAL FEDERAL MODERNA, QUESTÃO DE AUTOAFIRMAÇÃO NACIONAL, UMA FORTE CARACTERÍSTICA DO NACIONALISTA ESTADO NOVO DE GETÚLIO” CONTA O HISTORIADOR MAURÍCIO SANTOS.
O famoso relógio da Central do Brasil (que é de 1943) é maior que Big Ben, de Londres, na Inglaterra. O exemplar inglês mede sete metros, enquanto o brasileiro tem 10 de altura em cada face. Com 135 metros de altura, o prédio já foi a estrutura de concreto armado mais alta do mundo.
Relogio-da-Central-do-Brasil-em-construcao

Em 1997, a estação foi cenário do filme Central do Brasil. A obra foi indicada ao Oscar de melhor filme estrangeiro, em 1998. O curioso é que o nome “Central do Brasil” passou a ser usado definitivamente após a película ser lançada. Anteriormente era comum ver as pessoas ainda se referindo a estação como “D. Pedro II”.

Fonte: Diário do Rio