Agentes fiscalizam as indústrias da região para a identificação de despejo de material irregular no rio

Secretaria estadual do Ambiente e Sustentabilidade, o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) e o Comando de Polícia Ambiental (CPAm) realizaram, na manhã desta quinta-feira, uma operação no Distrito Industrial de Queimados.
Os agentes fiscalizaram cinco indústrias da região para a identificação de despejo irregular de esgoto no Rio Guandu, na Baixada Fluminense, dos quais quatro apresentaram irregularidades.
De acordo com a Secretaria do Ambiente e Sustentabilidade, técnicos do Inea coletaram amostras de água na saída das estações de tratamento de efluentes de cinco indústrias da região. Os agentes também sobrevoaram o polo para rastrear o possível despejo de esgoto industrial sem tratamento no rio. Outro grupo fez buscas por terra para flagrar e punir a prática irregular.
A primeira empresa fiscalizada, Citycol, foi autuada por lançamento de efluente no meio ambiente sem o devido tratamento. Foram lacradas as caixas de energia, paralisadas as operações da tinturaria e feito o tamponamento da saída de água da estação de tratamento da empresa. Fiscais também realizaram a suspensão parcial da atividade de tinturaria e lavagem.
Na empresa Burn, o licenciamento havia sido concedido pelo município. Portanto, coube a Prefeitura de Queimados, que também participa da operação, autuar. No empreendimento foi detectado o armazenamento irregular de matéria-prima e destinação incorreta do esgoto sanitário.
A empresa foi notificada.
A Flash Rio, terceira vistoriada pelas equipes que atuam na operação, foi autuada, interditada e o responsável conduzido à delegacia. Além do despejo irregular de resíduos, a empresa efetuou desmatamento, avançou pela faixa marginal do rio e realizou terraplanagem da área sem autorização. Duas máquinas foram apreendidas: um rolo compressor e um trator de esteira.
A quarta empresa com irregularidades, o Frigorífico Vifrio, foi notificada a fazer adequações ambientais. Na quinta, a Lanlimp, não foram encontradas irregularidades.
A reportagem tentou contato com as empresas citadas, sem sucesso. O espaço está aberto para manifestações.
Fonte: O DIA

Faça o seu comentário