Peça promovida pela Embrapa Agrobiologia é uma das ações do projeto de popularização da ciência

EDUCAÇÃO

Os hábitos alimentares modernos e as dietas, em que imperam alimentos industrializados e frituras em detrimento de alimentos mais saudáveis à saúde, inspiraram a criação de uma montagem teatral que defende a adoção de cardápios em que frutas, sucos, legumes e verduras estejam mais presentes. Numa referência à estória infantil Alice no país das maravilhas, uma equipe da Embrapa Agrobiologia, em Seropédica, criou a peça “Alice no país das calorias”, espetáculo que busca disseminar entre as crianças as vantagens de uma alimentação mais orgânica.

A peça conta a estória de Alice, uma menina que adorava se alimentar de hambúrguer, batata-frita, refrigerantes e nada de legumes, sucos ou frutas. O espetáculo foi apresentado aos alunos do terceiro, quarto e quinto anos do Centro Educacional União Seropédica, que assim aprenderam um pouco mais sobre a importância de uma alimentação saudável – e, de quebra, ainda descobriram os orgânicos. Promovido pela Embrapa Agrobiologia, a apresentação faz parte do projeto de popularização da ciência iniciado na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, em outubro, liderado pela Embrapa Agroindústria de Alimentos.

A Embrapa Agrobiologia informou que cerca de 60 crianças, com idades entre oito e 10 anos, assistiram à apresentação, encenada pelo grupo de teatro Cochicho na Coxia. Atentos, os alunos se divertiram e aprenderam com a história da menina que, ao abrir a porta da geladeira, cai na gaveta dos legumes e verduras e inicia uma grande aventura com o limão ligeiro e o verdureiro louco pelo mundo das calorias. Ao final da apresentação, os estudantes ainda receberam materiais do projeto Agroecologia para gente que cresce. 

A aluna do quinto ano Luísa Cortes, de 10 anos, disse que a peça foi uma lição sobre os alimentos que fazem mal e podem deixar a criançada doente. Juliana Vitória, também de 10, saiu animada. A estudante reconhece que as calorias são atrativas, mas garante saber o valor da alimentação saudável. “Essas besteiras são uma delícia mesmo, quem não gosta? Mas eu como legumes e frutas também”, disse Juliana.

Os amigos Pedro Ferreira e Andreas Lorenzzo, do quinto ano, ficaram tão entusiasmados depois da apresentação que decidiram usar a agendinha do Agroecologia para gente que cresce para iniciar uma espécie de diário de alimentação. “A cada dia, vamos escolher um alimento que comemos e desenhar para ficar registrado”, explicou Andreas, que é filho da analista da Embrapa Andreia Loviane.

Também como parte do projeto de popularização da ciência, a Embrapa Agroindústria de Alimentos promoveu a mesma apresentação teatral para crianças da Fundação Xuxa Meneguel, em Guaratiba, na cidade do Rio de Janeiro, no mês de fevereiro (com informações da Embrapa Agrobiologia).

Faça o seu comentário