Um novo relatório divulgado pela ONU alerta: a fauna e flora terrestre estão sendo destruídas numa velocidade nunca vista na história da humanidade! Cerca de 25% dos animais e plantas da Terra estão à beira da extinção.

A natureza está sendo deteriorada numa velocidade nunca observada desde o início da humanidade! A extinção da fauna e flora está num ritmo crescente nunca visto antes, isso é o que adverte o relatório lançado pela ONU (Organização das Nações Unidas), feito pela Plataforma Intergovernamental de Políticas Cientificas para Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES, na sigla em inglês), baseado na análise de 15 mil materiais de referência e compilado por centenas de cientistas.

A natureza desempenha papel crítico para a humanidade, nos fornecendo alimento, água, energia, medicamentos e outros recursos essenciais. Através de seus processos ecológicos, ela também mantém a qualidade do ar, da água e dos solos que utilizamos, regula o clima e fornece a polinização e controle de pragas naturais que nos ajudam para o desenvolvimento de culturas.

Mais de 75% dos tipos de culturas alimentares globais (como café e cacau) contam com a polinização animal, por exemplo. Os ecossistemas marinhos e terrestres (as florestas) são os únicos sumidouros do carbono emitido pelas atividades antropogênicas, tirando da atmosfera cerca de 5.6 giga toneladas de carbono por ano (o equivalente a cerca de 60% das emissões antrópicas globais).

Mais de 100 milhões de hectares de florestas tropicais já forma perdidos devido principalmente as atividades agropecuárias. Foto: Ibama.

Porém, a busca cada vez maior por comida, água, energia e materiais está cada vez mais à custa da capacidade da natureza. 75% da superfície da terra já está significantemente alterada, 66% do oceano está sendo afetado e mais de 85% dos pântanos foram perdidos. Cerca de 1 milhão de espécies de animais e vegetais estão ameaçados de extinção nas próximas décadas, a aceleração na taxa global de extinção de espécies já é pelo menos dezenas a centenas de vezes maior que a média dos últimos 10 milhões de anos!

Os principais fatores responsáveis por essa destruição, começando com aqueles que tem maior impacto, são:

  • Mudanças no uso da terra e do mar;
  • Exploração direta de organismos;
  • Mudanças Climáticas;
  • Poluição;
  • Espécies exóticas invasoras.

A expansão agrícola é a principal forma de mudança no uso da terra, com mais de um terço da superfície terrestre sendo usada para cultivo ou criação de animais. Esta expansão, juntamente com a duplicação das áreas urbana desde 1992, ocorreu principalmente à custa das florestas. 100 milhões de hectares de florestas tropicais foram perdidos de 1980 a 2000, devido principalmente a atividade pecuária da América Latina e as plantações de óleo de palma, principalmente, no sudeste da Ásia.

Os impactos das mudanças climáticas

Desde 1980, as emissões de gases de efeito estufa dobraram, resultando num aumento de pelo menos 0.7°C na temperatura global. Com isso, a frequência e intensidade de eventos climáticos extremos, como enchentes, secas, tempestades severas e incêndios florestais, que aumentaram nos últimos 50 anos. No oceano observamos um aumento global do nível médio do mar, que cresceu de 16 a 21 centímetros desde 1900.

Essas mudanças climáticas têm gerado grandes impactos na biodiversidade do planeta, alterando a distribuição das espécies animais e vegetais e alterando as funções dos ecossistemas. Combinado aos efeitos da mudança do uso da terra e do mar, a superexploração dos recursos naturais e a poluição, os impactos são ainda maiores, principalmente em ecossistemas como os recifes de corais e as regiões polares.

Fonte: Tempo

Faça o seu comentário